Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Maria, uma márti - Por Antonio Morais.


Várzea-Alegre - Maria, uma mártir, assassinada  pelo marido em 11 de Março de 1926.

Em 1920, chegavam a Várzea-Alegre, vindos de Alagoas, Clementino Romeiro, Antônia e os três filhos, Severino, Maria e Madalena. Trabalhavam na construção de uma barragem que seria, naquela época, o açude Olho D'Água. A família passou a residir no sitio Inharé, precisamente, onde hoje fica a casa de José Bitu e dona Biluca. Nesse período, eram moradores dos Fiúsas do Chico, sendo que plantavam também nas terras de Manuel Leandro Bezerra, no alto da serra da Charneca.

Maria, uma das três filhas de Clementino e Antônia, era uma mulher simples. Casou com Bil, migrante da região do Iguatu, em 05 de Novembro de 1922, na igreja matriz de São Raimundo. Nesta mesma data, se casaram 24 casais que moravam na ribeira do Riacho do Machado. Os casamentos foram oficiados pelo padre José Alves de Lima, vigário de Lavras da Mangabeira.

Depois de casados, Maria e Bil continuaram morando no sitio Inharé, onde já residiam os pais de Maria. Da união de Maria e Bil nasceram dois filhos: Necilia e José. Quando Maria estava na sua terceira gravidez, houve um desentendimento entre ela e o marido. O motivo da contenda foi a fato da irmã de Maria, chamada Madalena, que aparentemente tinha problemas de visão, manter um caso amoroso com o Bil. Conta-se que o Bil pretendia fugir com Maria e deixar toda confusão para trás, entretanto, Maria, magoada por causa da traição, recusou a posposta do marido, preferindo morar na casa de seus pais.

Com o orgulho ferido por causa do desprezo da mulher, Bil, passou a arquitetar a morte de Maria. Sabendo que Maria levava a comida dos trabalhadores da roça de seu pai, Bil, resolveu surpreendê-la, numa emboscada na beira da estrada. E assim em 11 de Março de 1926, por volta das 10 horas da manha, quando Maria se dirigia com duas companheiras a caminho da roça do pai, levando a comida dos trabalhadores, Bil apareceu de repente, armado de faca, as companheiras fugiram e Bil, então passou a esfaquear a esposa até a morte. Foram três golpes fatais. Bil fugiu e nunca mais foi encontrado.

Maria foi enterrada no cemitério da Saudade em Várzea-Alegre, mas ninguém sabe informar qual é o seu túmulo. Também não se sabe se o crime foi investigado pela policia. Esse crime revoltou toda Várzea-Alegre, causando grande comoção. As pessoas passaram à visita o local do crime e rezar pela alma de Maria. Seu pai Clementino, pôs uma cruz no local exato em que sua filha foi assassinada. As pessoas passaram a visitar o local para pagar promessas e agradecer graças alcançadas, segundo elas, com a intercessão de Maria.

No dia 20 de Janeiro de 1957, 31 anos depois da morte de Maria, foi construída uma capela no local do crime, quem mandou construir a capela foi José Alves de Oliveira. O vigário da época Padre José Otávio de Andrade benzeu a capela e celebrou uma missa na intenção da falecida.

São incontáveis os números de doentes que vão até a capela agradecer a cura conseguida através da intercessão de Maria. Porém, quem mais visita a capela são as mulheres sofredoras que vêem em Maria uma protetora das aflitas e desesperadas.

19 comentários:

  1. Espero que esta minha postagem sirva de advertencia para os religiosos. Outro dia estava no sitio Sanharol enquento havia uma grande concentração de pessoas na Capela de Maria. Missa, fogos,banda de musica Etc. Quando as pessoas retornavam, sempre em grupos, comentavam: estamos voltando da Capela de Bil, estavamos pagando promessa na Capela de Bil. Bil pra lá e Bil pra cá. Se houver uma disseminação da historia nesse sentido, daqui há 100 anos estarão fazendo promessas e pagando ações de graças por Bil. O Bil na historia é um assassino frio e cruel. Maria foi a martir.

    ResponderExcluir
  2. Antonio Morais,

    Tenho acompanhado e apreciado seus escritos. Seu estilo bem humorado e antenado no mundo é um dom inegável do qual sabe fazer uso na medida certa. Parece, no entanto, que os humores das pessoas no Blog do Crato e Cariricult andam meio embotados. Além de tudo, Socorro, está indo embora pra Mossoró... não sei como vai ser...
    Gostaria de poder conversar contigo. Caso aceite, me mande um e-mail para cbbloc@uol.com.br / ou me ligue para 088 88388344 / ou faça as duas coisas (risos). É sempre bom manter contatos com nossa gente.

    Um abraço e a amizade de

    Claude

    ResponderExcluir
  3. Prezado Morais,
    Que tragédia na vida de Maria. E a gente pensa que a violência contra a mulher só acontece nos dias de hoje.

    Abraços


    Magali

    ResponderExcluir
  4. Magali.

    Este foi um dos crimes mais brutais de Varzea-Alegre. Bil cortou parte da batata da perna de Maria e consumiu, para segundo supertições não ser encontrado ou preso pela policia. Hoje Maria é tida, pra muitos, como esperança, uma salvação de fé.

    ResponderExcluir
  5. Claude.

    Não acesso o Cariricult. Sou um assiduo frequentador do Blog do Crato. Estou notando a ausencia de alguns amigos. Nas ultimas semanas houve alguns embates sobre religião e esse é um assunto que cada um tem sua opinião. Acho até que não devia ser levado a discursão. Eu mesmo devo ter aborrecido os meus amigos com os meus comentarios. Porem espero que tenham entendido e aceitado as minhas desculpas. O Dihelson está em Fortaleza e vai se encontrar com Carlos e Magali, é importante que voce se encontre com eles e analisem esses detalhes todos.

    ResponderExcluir
  6. Estimado A. Morais

    Acredito que você conheceu uma querida tia de nome Dionê Pinheiro Monteiro.
    Esta tia quando vinha à São Paulo nos dando um grande prazer de sua companhia era muito divertida.
    Fizemos juntas duas viagens inesquecíveis.
    Tanto meu esposo, filha e eu, tínhamos muito carinho por ela.
    Foi muito engraçado quando certa ocasião ela foi ao BIC-Banco - Ag. Av. Paulista. Era você o gerente naquela ocasião?
    Abraço
    Glória Pinheiro

    ResponderExcluir
  7. Maria da Gloria.

    Sua tia Dionê além de amiga e cliente especial do Bicbanco, era tambem quase irmã dos donos do banco( Adauto e Humberto Bezerra ) o tratamento tinha mesmo que ser especial.

    ResponderExcluir
  8. A. Morais

    Muito oportuno este poste "Maria, uma mártir".
    Sempre me comoveu bastante as mulheres vítimas desses homens bárbaros.
    Que a Lei Maria da Penha não deixe nenhum deles impunes nos dias atuais.

    ResponderExcluir
  9. Prezado Morais, desconhecia esse blog, muito menos que era o amigo que o administrava,sendo assim, com a sua anuência, passarei a visita-lo mais vezes.Atinente ao tema trazido à debate, sabemos que a violência contra a mulher era um "hábito" corriqueiro em um passado não muito longínquo, todavia, parece-me que nos dias atuais esse mal volta com maior intensidade,principalmente em determinadas regiões, segundo dados, infelizmente com maior frenquência em nosso nordeste.É necessário uma participação maciça não só das autoridades, porém, da própria vítima, denunciando o agressor já na primeira oportunidade em que for destratada, afastando-se do malfeitor imdediatamente, não lhe permitindo uma segunda chance, somente assim ter-se-á o inicio para repelir esses acontecimentos brutais.Abraços.Luiz Cláudio Brito de Lima

    ResponderExcluir
  10. Luiz Cludio Brito.

    Agradeço sua visita, seja bem vindo. Como voce vê este crime horroroso ocorreu em 1926. Nesta epoca a mulher era vitima duas vezes. Do companheiro e da sociedade que não compreendia a situação da Mulher quando não havia a possibilidade de uma convivencia civilizada. Obrigado e volte sempre.

    ResponderExcluir
  11. Prezado Morais, perdoe-me a indelicadeza, acabei esquecendo de cumprimenta-lo pelo blog, pelas postagens,meus mais sinceros parabéns,tenho certeza que teremos nesse canal muitas informações, poesias e entretenimento.Abraços amigo.Luiz Cláudio Brito de Lima

    ResponderExcluir
  12. Veja a importancia do papel dos Blogs como midia alternativa na defesa da sociedade. Esse bárbaro crime contra a mulher, denunciado pelo Miséria, e pelo Blog do Crato, em Antonina do Norte, já é matéria em discussão na bancada feminina da Camara dos Deputados, e no Conselho de Defesa dos Direitoas da Pessoa Humana da Presidencia da República.
    Deputadas como a Rita Camata, Jô Morais, Luciana Genro,Luiza Erundina,Sandra Rosado,Janete Pieté, Manuela D'Avila,e outros parlamentares, encabeçam um manifesto ao presidente do Conselho, Dr. Paulo de Tarso Vannuchi,solicitando providencias urgentes para o caso.
    Esse afronte à Lei Maria da Penha, mais uma vez traz a tona, o desrespeito e a covardia imposta à mulher em determinados segmentos da sociedade.
    Essa luta é de todos,e não cabe mais a utilização do termo minorias, quando se trata da defesa do cidadão, na sua luta pela manutenção dos seus direitos básicos.

    ResponderExcluir
  13. Quem ofereceu todos os dados desta pesquisa foi o Sr. José Alves de Oliveira, Seu Zé Pretinho do Canto e D. Marila Luiza. Seu zé Pretinho faleceu recentemente aos 98 anos.

    ResponderExcluir
  14. Esta historia minha mae sempre nos contava.Madalena era grande amiga da minha mae,por sinal faleceu no Sitio Chico vizinho a nossa casa.Quanto ao romance do Bil com a Madalena,minha mae nos contava com grande Sigilo.Este crime se deu por causa de ciume.A minha mae tambem contava,que havia uma historia que a Madalena tinha abortado um filho do Biu.So que depois desse acontecimento a Madalena nao teve familia, ela nao deixou nenhum filho.

    ResponderExcluir
  15. Prezado Geraldo.

    Nós precisamos resgatar estas historias. Precisamos revelar e preservar para posteridade informações ricas como estas passadas por sua mãe. Do contrario tudo vai para a vala profunda do esquecimento. E a historia perde o seu sentido e sua verdade.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  16. Conta-se que o pai de Maria, Sr Clementino, era um homem muito disposto e que ele teria seguido o rasto de Bio, só retornando 2 dias depois. Se é verdade não se sabe, o certo é que do Bio nunca mais se soube notícias do paradeiro dele, são mistérios da morte de Maria.

    ResponderExcluir
  17. Prezado Robson.

    Esta é uma historia que devia interessar muito a igreja. Mas, pelo que vemos não há registros de localização da própria sepultura de Maria.

    E, o mais grave, estão disseminando que a cruz ou capela de Bil. Veja o absurdo. Daqui a pouco vão está rezando para Bil, o assassino .

    ResponderExcluir
  18. Existem realmente muitas versões sobre a morte de Maria de Bil. Meu pai, Raimundo Bitu, que na época era menino conta uma muito parecida com a de Robson, onde o senhor Clementino, cidadão disposto e corajoso segui e rastreou os passos de bil e o assassinou. Tia Biluca, casada com meu tio José Bitu, com certeza deveria saber algo sobre esse crime que comoveu toda população Varzealegrese, visto se a pessoa que recebeu Maria morta chegando a sua casa vinda da serra em uma rede. Vicente de Santiago conhece um pouco desse fato triste ocorrido no nosso meio.

    ResponderExcluir
  19. A paróquia de Várzea-Alegre não teve a devida atenção com a história de Maria. Hoje, nem sabe onde estão sepultados os restos mortais. Diferentemente de Santana do Cariri que venera e dissemina a história de Benigna. Com processo adiantado para a beatificação.

    ResponderExcluir