Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


terça-feira, 26 de julho de 2016

Netos - Por Rachel de Queiroz.

Netos são como heranças. Você ganha sem merecer. Sem ter feito nada para isso. De repente, lhe caem do céu. O neto é, realmente, o sangue do seu sangue, filho do filho, mesmo. " Os netos são filhos com acuçar".
Cinquenta anos, cinquenta e cinco. Você sente, obscuramente, que o tempo passou mais depressa do que esperava. Não lhe encomda envelhecer, é claro, a velhice tem suas alegrias, as suas compensações. Todos dizem isso, pessoalmente, ainda não as tenha descoberto, mas acredita. Todavia, obscuramente, sente que, as vezes, lhe dá aquela nostalgia da mocidade. Do tumulto da presença infantil ao seu redor. Meu Deus, para onde foram as suas crianças? Naqueles adultos cheios de problemas que hoje são os filhos, que tem sogro e sogra, cônjuge, emprego, apartamento e prestações, você não encontra de modo algum as suas criancinhas.
Sem dores, sem choros. Aquela criancinha da qual você morria de saudades, chega. Símbolo ou penhor da mocidade perdida. Pois aquela criancinha, longe de ser um estranho, é um filho seu que lhe é devolvido. E o que é espantoso é que, todos lhe reconhecem o seu direito de o amar com extravagancia. Ao contrario causaria espanto, decepção, se você não acolhesse imediatamente com todo aquele amor recalcado, no seu coração. Sim tenho certeza de que a vida nos dá netos para nos compensar de todas as perdas trazidas pela velhice. São amores novos, profundos e felizes, que vem ocupar aquele lugar vazio, nostálgico, deixado pelos arroubos juvenis. É quando vai embalar o menino e ele, tonto de sono, abre o olho e diz: Vó, que seu coração estala de felicidade, como pão no forno.

5 comentários:

  1. O Blog agradece ao Mundim do Vale pela remessa de tão bela mensagem e dedica aos avôs e avós leitores. Que façam uma leitura atenta e sintam a mensagem da Rachel de Queiroz ao definir, com afeto e carinho o significado dos netos, o que eles represenam para nós avós.

    ResponderExcluir
  2. No próximo ano será o centenário desta grande personalidade cearense, primeira mulher a ingressar na ABL.
    Muito bom gosto, Mundim!

    ResponderExcluir
  3. Giovani Costa.

    Fico feliz com seu comentario nesta postagem, porem sugiro que passe a pagina do Blog e comente e responda aos comentaristas que visitaram as postagens enviadas por voce. Veja a da eleição do Joaquim Fiuza. Hahaha.

    ResponderExcluir
  4. Ah! grande Raquel!
    Você escrevia como falava... e seus textos se tornaram clássicos.
    Sua inteligência e sensibilidade são coisas de gênio.
    Como você faz falta, neste país em decadência onde até recentemente um presidente da república vivia a fazer reflexões baseadas unicamente em fatos futebolisticos, e - por trás - chefiava uma quadrilha que quebrou o País.

    ResponderExcluir
  5. Prezado Armando - Na revista O Cruzeiro, a Ultima Pagina Raquel deixava sempre uma pérola.

    ResponderExcluir