Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


domingo, 29 de setembro de 2013

Sensatez do Ministro e Bravatas da Presidente - Por Antonio Morais


Hoje vi um ministro deste governo ser sensato. O embaixador Luiz Alberto Figueiredo Machado, ministro das relações exteriores declarou que os Estados Unidos não deixarão de espionar e não pedirão desculpas.

Diferentemente do ministro a presidente Dilma se estrebucha, fala bravatas, mas,  só lhe resta uma opção: pedir a ajuda de Cuba ou outras  ditaduras de meia tijela  da América do Sul, Africa  e Oriente Médio.

Não contem comigo - Paulo Coelho


Paulo Coelho, que foi para TV fazer campanha do PT em 2006 (Lula) e 2010 (Dilma), tem dito aos mais próximos: “Não contem comigo em 2014”.

014 - Varzea-Alegre, politica antiga - Por Antonio Morais



A DIFÍCIL MISSÃO DE TER CARÁTER, SER INTEGRO E HONESTO.

Existem coisas que fogem a compreensão. Quando se escreve  sobre as denuncias  de roubalheiras, cafajestadas dos canalhas que  se apoderaram do puder, aparece gente, aos montes, para defendê-los. Justificativas as mais diversas, geralmente mostrando erros do passado, assim como se dois erros dessem um acerto. 

Porém, quando se escreve sobre pessoas integras, honradas, honestas há um silencio enternecido,  não aparece ninguém para comentar. Pra tudo, na vida, há uma medida padrão. Para o comprimento é o metro, para o peso o quilo, para o volume o litro, para o homem o caráter, decência e honradez.

Infelizmente, nos dias atuais, pessoas largam tudo,  empresas, cargos funcionais, até a família para serem políticos, que seja  prefeito de uma cidadezinha qualquer do interior. Gastam milhões para se elegerem, sabendo que o retorno será de vinténs. Não temem por nada: sociedade, família, justiça, nem a Deus.

Não se vê mais exemplos como o Dr. Dario Batista Moreno, homem honrado, integro, competente, culto. De posse de um mandato de prefeito de sua terra natal, fez concurso para promotoria  publica, e, em sendo aprovado renunciou ao mandato que o povo lhe concedera e, foi desempenhar  com honras, louvores e brilhantismo uma carreira sem igual no ministério publico. 

Exemplos de grandeza dessa magnitude são o azar dos canalhas que hoje se apoderaram  da politica no Brasil.

ZÉ LEZIN.

video

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Enviado por Amigos de Deus

Durante a II Guerra Mundial, nos Estados Unidos, era costume uma família que tivesse um filho que servisse nas Forças Armadas colocar uma estrela na janela frontal da sua casa. Porém uma estrela dourada indicava que o filho tinha morrido no apoio à causa do seu país. 

Há anos, Sir Harry Lauder contou uma história comovente sobre este costume. Ele disse que uma noite um homem caminhava por uma rua de Nova Iorque, acompanhado pelo seu filho de 5 anos.  O pequeno foi atraído pelas luzes que brilhavam nas janelas das casas e quis saber porque é que algumas casas tinham uma estrela nas janelas. 

O pai explicou que aquelas famílias tinham um filho a combater na guerra. O miúdo bateu as palmas quando viu uma outra estrela na janela e exclamou, 

“Olha, Papá, uma outra família que deu o filho ao seu país”. 

Finalmente chegaram a um descampado, depois da correnteza de casas. Daquele lugar podia-se ver uma estrela a brilhar no céu. O pequenito voltou à carga, “Oh, Papá”, exclamou, “Olha para aquela estrela no céu! Deus também deve ter dado o Seu Filho”. 

Sim, de fato! Há uma estrela na janela de Deus. 

Sabes o que Ele fez por ti?

Ele deu o Seu Filho, por causa do Seu amor por nós.

Desconheço o Autor

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Brasil tem poucas razões para reeleger Dilma, diz The Economist - Fernando Bizerra Jr.


Em especial de 14 páginas, revista britânica aponta os erros cometidos pela administração da presidente que fizeram o Brasil desapontar o mercado e perder credibilidade

Presidente Dilma Rousseff: para The Economist, ainda há tempo de fazer reformas. Revista ironiza chamando a presidente de 'Dilma Fernández', que é o sobrenome de Cristina Kirchner

De um foguete, representado pelo Cristo Redentor, que apontava para o alto, imponente, para uma aeronave desgovernada nos céus, perto de colidir com o Corcovado. Essa é a comparação feita pela revista britânica The Economist ao tratar da evolução do Brasil nos últimos quatro anos. A edição distribuída na América Latina questiona se o Brasil, de fato, "estragou tudo", depois de ter sido, por um breve período, a estrela dos emergentes. 

Segundo a reportagem, a presidente Dilma Rousseff tem sido incapaz de enfrentar problemas estruturais do país e interfere mais que o antecessor na economia, o que tem assustado investidores estrangeiros para longe de projetos de infraestrutura e minado a reputação conquistada a duras penas pela retidão macroeconômica. 

A The Economist é categórica ao afirmar: "até agora, eleitores brasileiros têm poucas razões para dar a Dilma um segundo mandato".

O especial de 14 páginas sobre o Brasil é assinado pela jornalista Helen Joyce, correspondente da revista no país. "Na década de 2000, o Brasil decolou e, mesmo com a crise econômica mundial, o país cresceu 7,5% em 2010. No entanto, tem parado recentemente. Desde 2011, o Brasil conseguiu apenas um crescimento anual de 2%. Seus cidadãos estão descontentes - em julho, eles foram às ruas para protestar contra o alto custo de vida, serviços públicos deficientes e a corrupção dos políticos", informa a revista, que já chegou a pedir, com certa ironia, a saída de Guido Mantega do ministério da Fazenda.

Em 2000 - Por Augusto Nunes

A corrupção representa uma violação das relações de convivência civil, social, econômica e política, fundadas na equidade, na justiça, na transparência e na legalidade. A corrupção fere de morte a cidadania. Num país tomado pela corrupção, como o Brasil, o cidadão se sente desmoralizado porque se sabe roubado e impotente. Sabe-se impotente porque não tem a quem recorrer. Descobre que os representantes traem a confiabilidade do seu voto, que as autoridades ou são corruptas ou omissas e indiferentes à corrupção, que os próprios políticos honestos são impotentes e que a estrutura do poder é inerentemente corruptora.

Dessa impotência se firmam as noções de que “nada adianta” e de que no fundo “são todos iguais”. A fixação desses sentimentos representa o fim da cidadania, pois ela se baseia na participação ativa do indivíduo na luta por direitos e na cobrança e fiscalização do poder. Quanto mais agonizante a cidadania, mais ativa se torna a corrupção. O corrupto sente-se à vontade para se justificar e até para solicitar o aval eleitoral para continuar na vida política.


O poder no Brasil protege os corruptos. A estrutura do poder público é corruptora. Em paralelo, a estrutura fiscalizadora favorece a impunidade. Mas se a corrupção, sua proteção e a impunidade se tornaram estruturais, há uma vontade explícita de manter intacta a estrutura corruptora. Essa vontade se manifesta de várias formas. A principal é a falta de iniciativa das autoridades constituídas. Outra ocorre pelo bloqueio das mudanças institucionais e legais que visam a ampliar e aperfeiçoar os instrumentos de combate à corrupção. No Congresso, medidas de combate à corrupção e mudanças moralizadoras da Lei Eleitoral foram sistematicamente derrotadas pela maioria governista, com o apoio de chefes dos poderes superiores.

A sociedade já percebeu que a corrupção estrutural está albergada na falta de vontade de mudar e de punir e na vontade explícita de proteger. A racionalidade do cidadão não consegue compreender o porquê e o como de tantos casos de corrupção não resultarem em nenhuma prisão dos principais envolvidos. E porque a razão não consegue compreender essa medonha impunidade, o cidadão sente-se desmoralizado. A corrupção assume a condição de normalidade da vida política do país. A degradação e a ineficiência do poder público atingiram tão elevado grau que não se pode mais acreditar que, apesar de lentas, as mudanças virão.

O artigo saiu na edição de 29 de abril de 2000. E foi escrito por José Genoino, então - como agora - deputado federal do PT paulista. Parece mentira, mas é isso mesmo.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Enviado por Amigos de Deus.

Um dia, uma pequena menina, vestida de branco, levando um ramalhete de flores, passou por um menino que estava brincando em uma rua empoeirada.

Este ao vê-la, jogou-lhe um punhado de terra, sujando todo o seu vestido como o seu sapato. Ela parou por um instante, seu rosto parecia mostrar que ela choraria, mas, em vez disso, ela sorriu e ofereceu uma flor para o menino que estava esperando para ver sua reação. 

Ele ficou, ao mesmo tempo, surpreso e envergonhado porque, em retribuição da sujeira, ele recebeu uma flor. Muitos de nós, da mesma forma, temos experimentado o amor de Deus apesar da indiferença com o que temos tratado. 

Agimos com rebeldia, mentiras, egoísmo, vaidade, e em retribuição temos recebido o amor do Senhor  que continua de braços abertos e pronto para nos abençoar. Como tem sido o nosso testemunho ao receber uma ofensa? Retrucamos de imediato? Pagamos com a mesma moeda? Guardamos um sentimento de vingança para a primeira oportunidade?

Ou como verdadeiros cristãos colocamos tudo no altar do Senhor, pedindo-lhe que perdoe o nosso agressor e preencha o lugar da possível mágoa com um amor que não possa ser retirado?

Melhor do que andar com terra na mão para atirar em nosso próximo é ocupar nossas mãos e o nosso coração com flores que venham a perfumar e embelezar o ambiente por onde passarmos.

Melhor do que chorar pelo desalento do conformismo ou da desesperança  é sorrir pela confiança de que tudo é possível  para Deus e que não há problemas que Ele não possa resolver.

Melhor do que envergonhar o nome do nosso Salvador é deixar que sua luz brilhe em todas as nossas atitudes. Use a terra das ofensas recebidas para plantar flores de vida e salvação nos corações de seus agressores!

Paulo Roberto Barbosa

Meus netos - Por Antonio Morais

Meus netos.
São três. Ana Thays, uma mocinha apesar da pouca idade, 16 anos, já é universitária, aprovada que foi no vestibular de julho ultimo. 

João Pedro e Aluísio estiveram este fim de semana aqui em casa, no Crato.

João Pedro está um rapazinho, 9 anos, muito difícil de agrada-lo, nem do espetinho de coração de franco assado gosta mais, acho que perdi a graça pra ele. Aluísio, esse é um xodó, 4 anos me derreto todo. O menino come tudo que ver pela frente. Não precisa se preocupar em oferecer, ele mesmo se encarrega de buscar. 

A domestica abril um pacote de nescafé e, para facilitar o manoseio colocou num pote de nescau. Desavisado Aluísio apanhou o pote e jogou uma baita de uma colherada na boca sem a devida observação do conteúdo. 

Quando o nescafé começou a se dissolver ele correu na pia, desovou o material, lavou a boca e disse: "eita nescau rim da peste".

013 - Varzea-Alegre, politica antiga - Por Antonio Morais

Palavras você tem.

Na postagem anterior, falei do grande orador e homem intelectual que foi o Dr. Dario Batista Moreno. Ex-prefeito de nossa cidade, pessoa de fina lhaneza no trato com as pessoas, porém, não gostava de lengalenga, de bajulação.

Havia em Várzea-Alegre, a época, um vereador que por nada estava usando a palavra e fazendo aquele belo e memorável discurso. Bastava reunir três ou quatro pessoas numa roda que o orador pedia a palavra e mandava o verbo.

Dr. Dario não gostava nada daqueles vexames, ou seja, do vocabulário do nobre "Ruim Barbosa". Durante o seu governo, por ocasião da inauguração de uma escola no distrito de Naraniú, com a presença do vice-governador do Estado Joaquim de Figueiredo Correia, nosso conterrâneo, o Dr. Dario prevendo o discurso do vereador foi à casa do ilustre edil e falou que como era uma reunião simples, o vereador podia convidar os amigos, “mas não havia necessidade de fazer nenhum discurso”.

Na hora marcada, ao chegar com o vice-governador no local, o vereador subiu num tamborete e começou um solene discurso nos termos que se segue: “Incelentismo cumpadre Figueiredo Correia, reverendísimo prefeito Dr. Dario Moreno, demais oturidades que aqui tão... – Eu num tem palavras”.... 

Dr. Dario se aproximou, aberturou o vereador como dizem por lá, e falou: palavras você tem, o que você não tem é vergonha!

Embargos Infringentes - Por Augusto Nunes

Desde 1.500, embargos infringentes jamais premiaram com um novo julgamento nem livraram da cadeia condenados pobres

Durante mais de duas horas, o ministro Celso de Mello ensinou, com a expressão superior de melhor da classe, que os embargos infringentes teriam de ser examinados pelo Supremo Tribunal Federal porque “ninguém, absolutamente ninguém pode ser privado do direito de defesa”. Se prevalecesse a tese defendida por Joaquim Barbosa, Gilmar Mendes, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Marco Aurélio, “estar-se-ia a negar a acusados o direito fundamental a um julgamento justo”, caprichou na mesóclise o decano do STF.

Quem acreditou no latinório do ministro decerto imagina que o escândalo do mensalão foi descoberto há oito dias, não há oito anos. Ou que os advogados dos quadrilheiros, contratados por alguns milhões de reais, foram impedidos de manter em funcionamento desde 2007 a usina de álibis, chicanas, manobras protelatórias, espertezas legais,  pressões criminosas e notícias plantadas na imprensa, fora o resto. 

Pelo que disse Celso de Mello, pode-se concluir que o processo que se arrasta há seis anos teria de ser anulado caso rejeitasse o recurso com nome de produto de limpeza.

Para desmontar a conversa fiada, bastam duas constatações. Primeira: de acordo com a Constituição, todos são iguais perante a lei. Segunda: desde o Descobrimento, não se sabe de um único e escasso condenado pobre, sem dinheiro para bacharéis dolarizados, que conseguiu com embargos infringentes ser julgado de novo pelo mesmo tribunal e livrar-se da cadeia.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Deselegante e grosseira com a diplomacia - Por Antonio Morais


Dilma acha que o Obama é um frajola do morro do Rio de Janeiro, foi deselegante e grosseira com a diplomacia internacional. 

O orçamento brasileiro para defesa cibernética é reduzido em R$ 20 milhões e, mostra para o povo que o problema da espionagem está resolvido. Veja no rosto a espantosa preocupação do Obama. Deve está sem dormir.

Na verdade, a Dilma devia está preocupada era com o saldo da balança comercial externa, o pior dos últimos 66 anos. 5,5 trilhões.

Mas, esse seu gesto  heróico, comparado tão somente ao  finado Hugo Chaves, vai ser  disseminado tanto quanto foi o "Cara" dito pelo mesmo Obama.

012 - Varzea-Alegre, politica antiga - Por Antonio Morais

Urna violada

Em 1958, disputaram as eleições municipais de Várzea-Alegre os senhores Dr. Dario Batista Moreno pelo PSD e José Gonçalves de Carvalho pela UDN.

Na primeira contagem dos votos José Gonçalves de Carvalho sagrou-se vencedor, porem uma urna do distrito de Naraniú, reduto do PSD foi anulada, sob suspeita de violação. O fato é que a urna foi transportada da sede do distrito para Várzea-Alegre pelos senhores Valdir de Dudu e José Gatinha e ao ser apurada teve a totalidade dos votos para o candidato da UND fato impossível de acorrer, pois o resultado normal previsto era totalmente o contrario.

Com a anulação da dita urna fez-se uma nova eleição para os eleitores da citada seção e o Dr. Dario reverteu o resultado sagrando-se prefeito para o período de 1959 a 1963.

Dizem que depois de transitado e julgado, de posse do resultado oficial da eleição, Dedé Bitu, sogro de Dr. Dario resolveu comemorar a vitória e convidou o irmão Doca Bitu para um brinde e ocorreu a presente prosa: Disse Dedé: Doca vamos tomar um negocio ali? E Doca respondeu no ato: De quem?

COMO ANTIGAMENTE - POR ANTONIO MORAIS

Antigamente se namorava muito pouco, e, quando namorava já havia um sentimento tão forte entre as partes que dificilmente um namoro era desfeito. A grande maioria terminava em casamento. A historia  desta musica da Emilinha Borba marca um desses romances entre dois jovens, no inicio dos anos 60, que não prosperou. Vou criar personagens fictícios para que ninguém seja identificado ou sirva de melindre por parte alguma. 

Emília namorava José. Era um namoro bem recebido pelas partes. Quando se pensava que o próximo passo era a Igreja de São Raimundo o romance desandou e chegou ao fim. 

Terminado o namoro, Emília enamorou-se de Laércio. E, em pouco tempo, o que demorara com José, se consolidou com este, o casamento foi marcado. 

No dia da solenidade, os amigos de José tiraram para zuar com ele. A comunicação exclusiva da época, a amplificadora do Hamilton Correia passou o dia inteiro, por ordem dos amigos, João, Antônio, Joaquim, Edvar, André e Dário tocando a musica da Emilinha Borba, oferecida ao José. 

Brincadeira pura, amiga, simples dos tempos que tudo era visto com brandura d'alma. Eu me lembro, descia do Sanharol, ao meio dia, para o Educandário Santa Inês. O auto-falante da amplificadora ficava virado para a casa da noiva.

Emilinha Borba.

video

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

O abraço do mestre Zé - Por Iris Cláucia Rolim Costa.


Dia 20 de Julho é o Dia do Amigo e, também, o  Dia Internacional da Amizade.Em um momento especial fui abordada com a seguinte pergunta: Para você, quem transmitiu, com mais perfeição, o gesto de abraçar um amigo e que mais ficou em sua memória?

Engraçado que, sem pensar muito, respondi: 

Conheci na minha infância um senhor, da minha família, o Sr Zé André, lá do Sanharol, em Várzea Alegre, que deixou um gesto de abraçar em minha memória. Quando chegávamos em sua residência sentíamos a forma mais profunda de se abraçar um amigo. Era um abraço que a gente sentia o coração bater, com uma voz firme, alta, vibrante, honesta. Um abraço não somente físico, um abraço como se quisesse chegar além do nosso corpo, chegar também aos vizinhos daquele recanto. Talvez quisesse abraçar mais longe, o mundo imaginário que a sua felicidade  permitia. Foi um mestre em alegria, em família, em fé , em sabedoria de saber viver alegre, em dias felizes ou não. Não morre quem deixa exemplos e este ele nos deixou.

Um abraço para todos os familiares que são ricos na memória deste grande homem,  porque o passado bonito e inesquecível com ele valeu tudo.

Carinhosamente,

Iris Gláucia Rolim Costa.

011 - Varzea-Alegre, politica antiga - Por Antonio Morais

Dr. Dario Batista Moreno.

DR. DÁRIO BATISTA MORENO, nasceu aos 14 dias do mês de Setembro do ano de 1927, no Sítio Boa Sorte - Várzea Alegre, era filho de Vicente Batista Moreno e Arlinda Batista Moreno. Formado em Direito, pela faculdade Federal de Recife. Foi Promotor Público em várias Comarcas do Estado do Ceará e na Capital, atingindo a última hierarquia da Organização do Ministério Público como Procurador de Justiça do Estado do Ceará. 

Foi eleito Prefeito Municipal de Várzea Alegre pelo PSD, em 1958 contra o candidato José Gonçalves Carvalho do partido UND, com a maioria de 198 votos. Sua gestão foi de 1959 a 1962. Ausentou-se no último ano do seu mandato para a cidade de Recife, sendo substituído pelo Vice José Alves de Lima (Zé de Ginu). Foi candidato a deputado estadual pelo Estado do Ceará em 1970, não sendo eleito. Era Diretor da Associação dos Profissionais Liberais Universitários do Brasil (APLUB), no Estado do Rio Grande do Sul, foi professor do Liceu do Estado do Ceará, em Fortaleza e Diretor do Centro Educacional São Raimundo Nonato em Várzea Alegre.

Durante seu mandato como prefeito de Várzea-Alegre desempenhou com decência e honradez. Contam que um vereador gostava muito de fazer discursos e quando usava o verbo fazia com péssima qualidade, era um "Ruim Barbosa". Prevista uma solenidade politica para a manha seguinte o Dr. Dario foi até a casa do edil e pediu para ele não fazer uso da palavra naquela manha, visto ser uma simples reunião. Quando o prefeito chegou com a comitiva, ao local, o vereador subiu num tamborete e disse: Excelentíssimo Senhor Prefeito de Várzea-Alegre, Dr. Dario Batista Moreno - eu não tenho palavras - Dr. Dario avançou o microfone e disse: Palavras você tem, o que você não tem é vergonha.

Dr. Dario faleceu no dia 07 de Novembro de 1997.

domingo, 22 de setembro de 2013

"Mas não é possivel"- Lauro Jardim


Lula: sorteio de relator frustrante. 

Um Lula eufórico viu pela TV o voto de Celso de Mello. Assistir às transmissões do mensalão é coisa que não costuma fazer. Lula evita ouvir o que não quer. Neste caso, sabia antecipadamente que seria música para os seus ouvidos. Mais tarde, ao saber que Luiz Fux fora sorteado para ser o relator do mensalão, reclamou: “Mas não é possível!”

Greve dos Bancários - Por Antonio Morais


Houve tempo que ser aprovado e admitido num banco oficial era motivo de prestigio e independência financeira.

Assumir uma agencia do Banco do Brasil significava casar com a moça mais bonita e filha do homem mais rico da cidade. Era possuir um carro novo pra si e outro para esposa, casa própria, ter um clube social exclusivo para família, ter uma cooperativa mercantil exclusiva.

Com o surgimento dos enganadores, dos sindicalistas  da classe, cujo a única coisa que faziam era falar de uma tal elite, com a eleição deles, deputado, senador, presidente da republica, essas situações desmoronaram. Os fundos de beneficência foram destruídos e roubados,  esses ídolos de pano viraram elites, embora continuem falando das elites.

E, os bancários, viram seus salários se reduzirem  aos rendimento de um balconista de uma loja de peças qualquer.

O que eu não entendo é os bancários fazerem greve contra  o patrão hoje, e  nas eleições o elegem novamente.


sábado, 21 de setembro de 2013

Francisco Alves Bitu - Menininho Bitu - Por Antonio Morais

Inexoravelmente o tempo passa, se esvai e não volta nunca mais. Quem colhe, somente colhe aquilo que plantou. Menininho Bitu semeou em terreno fértil e bem adubado a semente da amizade, da solidariedade e da sabedoria para ser o grande conselheiro que foi em vida. 

Homem de personalidade forte pelo caráter, pelo trabalho, pela decência inata e irreprovável. De alta estatura, corado, leal e trabalhador características de sua alma pura e serena consciência.

Durante a gestão de Hamilton Correia, década de 50 do século passado, a que mais fez obras publicas em nossa terra, obras estas, que ainda hoje não foram substituídas, Menininho Bitu era vereador. O Prédio da prefeitura, a Barragem da Cachoeira Dantas, Ponte da Eugenia, Escola José Correia Sobrinho, Escola Figueiredo Correia, Escola Antão Leandro Bitu e tantas outras obras importantes, foram empreendimentos do Dr. Hamilton Correia.

Peço permissão para falar um pouco da origem da Escola do Inharé, Escola Antão Leandro Bitu. Outro dia, vi um grupo de pessoas atribuindo a doação do terreno onde a escola está localizada a outrem. 

É oportuno, é bom, é necessário e carece que se respeite a historia. Quem fez todo trabalho de interveniência de doação do terreno, quem conseguiu a verba com o prefeito foi Menininho Bitu. Não é justo que a historia seja deturpada em detrimento da verdade e em favor de conveniências e vaidades atuais sejam elas quais forem. 

A Menininho Bitu o que lhe é de direito.

Prefeito Iran Costa, vice-prefeito João de Carvalho Pimpim e Menininho Bitu cortando a fita na reinauguração da Escola Isolada do Inharé, rebatizada por merecimento -Escola Antão Leandro Bitu.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

O conluio devia ser em torno de outra prioridade - Por Antonio Morais


Brasil tem 370 mil usuários regulares de crack em capitais. Pesquisa brasileira mostra ainda que 78,9% dos usuários querem se tratar.

O conluio formado  pelo governo do PT, pelo Supremo para livrar  uma duzia de corruptos vagabundos devia servir  para salvar  esses milhares de viciados de drogas.

O crack e outras drogas a base de cocaína fumada são consumidos regularmente por 370.000 pessoas nas capitais do país e no Distrito Federal, sendo que a maior parte dos usuários se concentra na região Nordeste. E quase oito em cada dez usuários desejam um tratamento para o vício. Os números foram relevados por um grande estudo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado nesta quinta-feira pelos ministérios da Justiça e da Saúde.

Apesar de 78,9% dos usuários de crack terem manifestado vontade de passar por um tratamento, a pesquisa mostrou que o acesso aos serviços atualmente disponíveis é baixo. Nos trinta dias anteriores à pesquisa, postos e centros de saúde foram procurados por apenas 20% dos usuários. 

Má noticia para os mensaleiros.


Fux é o relator do novo julgamento do mensalão - Agencia o Estado.

Sorteado para substituir Joaquim Barbosa na relatoria da nova fase do julgamento, ministro Luiz Fux condenou na primeira etapa cúpula do PT por formação de quadrilha

BRASÍLIA – Escolhido nesta quarta-feira para ser o relator do novo julgamento do processo do mensalão, o ministro Luiz Fux foi um dos principais escudeiros do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, na primeira fase da análise do processo ocorrida no ano passado.

Enviado por Amigos de Deus

Viajando por uma vale situado ao norte da Itália, um pregador passou por um famoso pomar. Ele falou ao proprietário sobre as necessidades naturais e espirituais das pessoas.

Por fim, ele lhe deu uma Bíblia e pediu que a lesse. O fazendeiro exclamou: “Você diz que esse livro é a Palavra de Deus, mas que prova você tem disso”? O evangelista não respondeu à pergunta de imediato, mas se voltou para o pomar e observou com grande interesse as belas frutas, muitas das quais já estavam quase maduras. “Essas peras parecem muitas boas, mas quem pode me afirmar que são de qualidade superior”?

“O que você quer dizer”? - Perguntou o fazendeiro, ofendido. “Você ainda nem as provou”. “Pegue uma ou duas e experimente”. O pregador deu umas mordidas e elogiou a qualidade delas. Essas peras são realmente excelentes. Agora você duvidou do meu livro assim como duvidei de suas peras.

Leia a Bíblia e irá descobrir que ela é a Palavra de Deus. Talvez você, leitor, já tenha uma opinião preconcebida sobre a Bíblia, tendo meramente lido algumas passagens aleatórias, ou mesmo livros sobre ela, sem nunca a ter lido por inteiro.,Quem investe esforço para lê-la com seriedade faz importantes e preciosas descobertas.

Por meio da Bíblia aprendemos a conhecer Deus e Seu Filho, Jesus Cristo. O próprio Deus nos fala pessoalmente através de Sua Palavra, e desperta nossa consciência. Ele mostra as reais necessidades de nossos corações e nos oferece Sua salvação.

Desconheço o Autor

O que Joaquim fará - Por Lauro Jardim


Joaquim Barbosa decidiu não fazer qualquer declaração ou pronunciamento sobre a decisão de hoje no STF. Não quer – pelo menos neste primeiro momento – criar polêmica.

Aos mais próximos, tem repetido:

- Fiz a minha parte.

Amanhã, à noite, depois da sessão do STF, Barbosa viajará para o Rio de Janeiro, onde passará – mudo – o final de semana.

Na segunda-feira, retorna a Brasília para uma sessão do CNJ e, na noite seguinte, segue para os EUA, onde fará uma palestra na Universidade Yale.

009 - Varzea-Alegre, politica antiga - Por Antonio Morais

Pedro Alves Bezerra - Pedro André do Sanharol.

Entre os componentes que formavam o grupo de oposição aos Correias,em Várzea-Alegre, estavam as famílias Primo, Costa, Otoni de Carvalho, Pimpim e outras. Filiados da UDN - União Democrática Nacional, liderada no Ceara pelos Távora.

Pedro Alves Bezerra, Pedro André do Sanharol, meu avô paterno votava com eles. 

Num pleito  municipal no final de década de 40 do seculo passado, Pedro André saiu de casa, foi a seção eleitoral, votou e ao sair foi procurado por Raimundo Otoni. Um candidato a vereador do partido havia desistido da candidatura e, Raimundo Oton pediu para Pedro André se registrar candidato no vaga aberta. Naqueles velhos tempos, no caso de  desistência o partido podia  apresentar outro nome  no decorrer da eleição. Pedro André para atender aos amigos,  fez o registro e, mesmo sem contar com seu próprio voto, saiu pedindo um voto aqui, outro ali, e no final da eleição e da contagem dos votos estava eleito vereador.

Coisas da Várzea-Alegre. Madrinha Zefa, esposa de Pedro André e amiga da família Correia não gostou nem um pouco da atitude do marido. Toda vez que Pedro André saia para as reuniões da camara ela dizia: Já vai né? 

Ele já sabia que naquele dia não tinha almoço, janta nem xodó.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Enviado por Amigos de Deus

A história é narrada por Ed Landry, recordando cenas dos seus quatorze anos de idade. Na época seu pai trabalhava das oito da noite às quatro da manhã. E foi no período de férias do garoto que tudo aconteceu.

Ele se oferecera para preparar o café da manhã para o pai, depois do trabalho. O pai acabava seu turno e em plena madrugada telefonava para casa. O garoto pulava da cama. As irmãs e a mãe se mexiam na cama e dormiam. Sabiam que não era para elas a ligação. Quando ele atendia, ouvia a voz animada do pai dizendo que concluíra seu trabalho e em vinte minutos estaria em casa.

O café estará pronto, respondia o menino. O prato predileto do pai àquela hora da manhã era ovos com bacon. A velha frigideira de ferro saía rápido do armário e ficava à espera. O garoto preparava o café, as torradas e ficava olhando a rua pela tela da varanda dos fundos. Ele podia ver quatro quarteirões de distância.

O dia desejava raiar mas as estrelas ainda brilhavam. Quando o pai atingia o poste de iluminação, ele colocava o bacon na frigideira. Era o momento ideal. Quando o pai lançava seu sonoro "bom dia", entrando pela cozinha, o bacon estava no ponto.

Enquanto ele lavava o rosto e as mãos, os ovos eram preparados. O pai se sentava à mesa e dizia: é formidável você preparar meu café da manhã. Eu me sinto realmente agradecido.

Não é trabalho nenhum, falava Eddy. O difícil é só levantar. Depois tudo é fácil. Enquanto comia, o pai contava como fora seu trabalho. Mecânico de locomotivas, ele tinha um carinho especial por cada uma delas.

Estranhamente para o filho, o pai, que deveria demonstrar cansaço após exaustivas horas de trabalho, contava suas histórias com entusiasmo. Quando um bocejo denunciava que o sono chamava o menino de volta para os seus sonhos inacabados, o pai falava: Eddy, está ficando tarde. Você deve voltar para a cama para não ficar cansado amanhã, quer dizer, hoje, daqui a pouco. Eu vou ler o jornal e relaxar um pouco.

Agradecia o café e se olhavam profundamente nos olhos. Eddy recorda que aquelas madrugadas eram os momentos mágicos que eles passavam juntos, de uma forma muito especial. Uma troca de carinho muito significativa entre um pai que deveria estar cansado e um filho adolescente com as pálpebras a pesar de sono.

A vida nos surpreende todos os dias com momentos especiais. Momentos que, em verdade, não se repetem.

Quem poderá esquecer o abraço espontâneo do pequerrucho que pula no pescoço, se pendura e fala: eu te amo?

Quem não se recordará por todos os anos da sua vida do beijo melado, cheio de chocolate, da pequenina sorridente?

Quando a velhice nos alcançar, com certeza ainda teremos na acústica da alma os primeiros sons das primeiras canções infantis dos nossos pequenos.

Cada momento vivido com os filhos, com a família, é de extraordinária riqueza. Ao longo da nossa vida, quando a solidão nos abraçar, teremos as lembranças doces e ternas para nos fazerem companhia.

PSB confirma saída do governo Dilma.


Presidente nacional da sigla e governador de Pernambuco, Eduardo Campos diz que agora governo pode se sentir mais confortável e que o PSB fica livre para discutir a sucessão presidencial

BRASÍLIA - O presidente nacional do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, oficializou a saída do partido do governo Dilma Rousseff. Campos, que poderá lançar sua candidatura à Presidência da República em 2014, disse na tarde desta quarta-feira, 18, que o governo petista agora pode se sentir mais confortável sem o PSB ocupando cargos no Executivo. "A gente deixa o governo mais à vontade e a gente fica mais à vontade", resumiu. Apenas o governador Cid Gomes (Ceará) se opôs à carta de entrega dos cargos.

Campos afirmou que pretende oficializar a decisão do PSB ainda nesta quarta-feira à presidente Dilma Rousseff e que aguardará um telefonema do gabinete presidencial confirmando o encontro. "O futuro do País não passa por cargos", defendeu.

O governador destacou que a sigla desembarca do governo com "respeito à presidente", mas que continuará atuando no mesmo campo político. "Não vamos desconsiderar o nosso campo político", reiterou. Segundo ele, a partir de agora ficará "mais fácil falar (publicamente) das divergências". Em seu discurso, Campos disse que o PSB fica livre para discutir a sucessão presidencial do ano que vem.

Apesar das informações de bastidores, Campos negou que a pressão do PT tenha acelerado o processo do PSB ou provocado constrangimentos. Durante a entrevista coletiva, o governador lembrou que o partido chegou a cogitar a saída do governo em junho, período das manifestações, mas que concluiu que naquele momento não poderia deixar o governo.

O presidenciável disse que os cargos do PT nos Estados governados pelo PSB não estiveram em discussão na reunião desta manhã. Ele reafirmou que o partido só discutirá sua possível candidatura em 2014.

Participaram da reunião da Executiva do partido o vice-presidente da sigla, Roberto Amaral, os governadores Cid Gomes (Ceará), Wilson Martins (Piauí) e Ricardo Coutinho (Paraíba), o atual ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, os líderes da Câmara e do Senado, deputado Beto Albuquerque (RS) e senador Rodrigo Rollemberg (DF), além dos deputados de São Paulo, Márcio França e Luiza Erundina. Leônidas Cristino, da Secretaria dos Portos, está em agenda no exterior.

O PSB ocupa o Ministério da Integração Nacional, três diretorias da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), a Secretaria dos Portos, as presidências da Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) e da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf).

008 - Varzea-Alegre, politica antiga - Por Antonio Morais

Vicente Primo.

A historia da politica antiga de Várzea-Alegre não  pode  esquecer o seu grande e nobre cidadão Vicente Primo.

Vicente Primo nasceu no dia 10 de maio de 1902, casado com D. Irene de Carvalho Primo. Era usineiro, sempre viveu do comércio, foi dono de várias casas comerciais.

Ingressou na política pelo antigo partido UDN. Hospedava em sua casa vários políticos amigos, como Virgílio Távora, Paulo Sarazate, Faustino de Albuquerque e teve a honra de receber o patrono da Aviação Brigadeiro Eduardo Gomes. 

Foi candidato a prefeito, enfrentou o mandonismo  dos Correias sem medo e com altivez, fez um trabalho de qualificação de eleitores e, todos tinha a mais absoluta certeza de sua vitoria. Contudo a contagem de votos foi feita em Lavras da Mangabeira, com muito roubo, perdeu um pleito que  muitos entendiam como certo. 

PSB deve se antecipar a Dilma e deixar o governo.


O presidente da legenda Eduardo Campos foi pressionado a decidir pela entrega dos cargos já que pode ser adversário da presidente nas eleições de 2014

O governador de Pernambuco Eduardo Campos foi pressionado pelo PSB a entregar os cargos do governo Dilma.

O Partido Socialista Brasileiro (PSB) deve se antecipar ao Palácio do Planalto e anunciar a entrega dos cargos que têm no governo Dilma Rousseff - Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional) e Leônidas Cristino (Secretaria de Portos). O partido se reúne nesta quarta-feira, 18, para tentar convencer a ala dilmista da legenda a acatar a decisão. Também será decidido que não haverá retaliação ao PT nos Estados governados pelos socialistas.

Os motivos da decisão foram explicitados nesta terça por Eduardo Campos, presidente do PSB e possível candidato ao Palácio do Planalto em 2014. "Os cargos nunca precederam nem orientaram a aliança que fizemos há mais de dez anos com a frente política que está no poder", disse. "Nossa relação com os governos de Lula e de Dilma sempre foi de apoio desinteressado", completou o governador de Pernambuco.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Enviado por amigos de Deus

Tempos atrás em um distante e pequeno vilarejo, havia um lugar conhecido como a casa dos 1000 espelhos.

Um pequeno e feliz cãozinho soube deste lugar e decidiu sair para conhecer a casa. Lá chegando, saltitou feliz escada acima até a entrada da casa. Olhou através da porta de entrada com suas orelhinhas bem levantadas, balançando freneticamente sua cauda.

Para sua grande surpresa, deparou-se com outros 1000 pequenos e felizes cãezinhos, os quais também balançavam suas caudas freneticamente. No mesmo instante o pequeno cãozinho abriu um enorme sorriso, e foi correspondido com 1000 enormes sorrisos!

Quando saiu da casa, pensou: -Que lugar maravilhoso! Voltarei sempre, um montão de vezes. Nesse momento seu rabo não mais balançava, mas sim dava “loops” de tanta alegria que sentia. Neste mesmo vilarejo, outro cãozinho, que não era tão feliz quanto o primeiro, decidiu também visitar a tal casa.

Escalou lentamente as escadas, com o rabo entre as pernas, orelhas murchas e olhou através da porta, quando deparou-se com 1000 olhares de cães que lhe olhavam fixamente...Assustado ele rosnou e mostrou os dentes, ficando horrorizado ao ver 1000 cães rosnando e mostrando os dentes para ele também. Ao sair rapidamente da casa, pensou: - Que lugar horrível! Nunca mais volto aqui.

Moral da História:

Muitas das oportunidades são feitas por nós mesmos. A forma como você encara as situações faz toda a diferença. Você pode escolher entre encarar o fato com visão otimista ou “deduzir” que a situação é ruim e pronto. Na vida, de tudo podemos tirar boas experiências, só depende da sua percepção, do modo como a encara.

Você consegue sorrir quando a situação é aparentemente de conflito? Um sorriso derruba muros e constrói pontes... Pratique-o e veja você mesmo!

Autor Desconhecido

007 - Varzea-Alegre, politica antiga - Por Antonio Morais

Adegildes Correia, filho de José Correia Sobrinho, neto do Coronel Antônio Correia. Sua mãe Isabel de Figueiredo faleceu por ocasião do parto e, seu pai suicidou-se pelo trauma sofrido. Foi prefeito de Várzea-Alegre de 1951 a 1954.

A bem da Cultura.

Há poucos dias, comentando uma postagem do Mundim do Vale disse que ia levantar a polemica que se segue. Na década de 80 do século passado, o presidente Fernando Collor de Melo nomeou o Coronel José Adauto Bezerra, ex-governador do Ceará, ex-deputado federal e grande líder regional e banqueiro para o ínfimo cargo de superintendente da Sudene, instituição que facilitava a ladroagem  politica do nordeste.

Ciro Gomes, então governador do Estado do Ceará, e, adversário do Adauto Bezerra, e corajoso como sempre, perguntou se o Adauto Bezerra estava Superintendente da Sudene porque era um grande técnico conhecedor dos problemas do setor ou porque estava precisando de um emprego? Como não era uma coisa nem outra Adauto Bezerra fez bunda de ema, se demitiu.

Há poucos dias, recebi um email da Secretaria de Cultura de Várzea-Alegre perguntando o período em que "Argemiro Correia" foi prefeito de Várzea-Alegre. Em tempo algum existiu Correia com o nome de Argemiro, muito menos no desempenho das atribuições de prefeito. A secretaria deve ter confundido com Adegildes Correia, prefeito de 1951 a 1954, eleito num pleito  suspeito de fraudes e, cujo opositor foi Vicente Primo.

Repetindo o Ciro Gomes pergunto eu: Quem está a frente da Secretaria de Cultura de Várzea - Alegre domina o conhecimento cultura local, conhece tudo do segmento, é um estudioso do assunto ou está porque precisa de um emprego?  Se for a segunda hipótese, aconselho o nobre e ilustre prefeito, em quem depositei o meu voto e confio plenamente, a pagar o salario, e, em nome do conhecimento cultural e histórico convidar uma personalidade do ramo para ocupar o cargo em referencia.

Indevidamento dos brasileiros - Por Antonio Morais


Lembrando Zaqueu Guedes.

Oferta de dinheiro e indevidamente. O Brasileiro hoje é o povo mais endividado do mundo, levantando o que as famílias brasileiras devem chegamos ao alarmante índice de metade do que produzimos.

A divida que antes era externa, em doze  anos, o governo  transformou em interna. A oferta de credito é geral, os bancos oficiais se transformaram na casa da mãe Joana.

Pra se levantar dinheiro não é necessário apresentar um projeto de viabilidade, basta chegar ao banco com um boné com a foto do Lula ou uma camisa com a foto da Dilma Rousseff.

Assim é que Zaqueu Guedes, produtor rural de nossa terra, sabendo  dessas facilidades foi ao BNB de Lavras da Mangabeira propor um empréstimo. 

Zaqueu tem fama de levar vantagem em tudo, fama de ser esperto, inteligente e sagaz.

Se aproximou da mesa do gerente como quem toma chegada para matar passarinho, e sem delonga, falou para o gerente: "Eu desejo fazer um empresto"!

O Gerente, com sua diplomacia habitual informou: Amigo, a única linha de credito disponível que temos, no momento, é para o financiamento de gaiolas. 

Zaqueu sapecou em cima da bucha: Ou meu amigo, deu mesmo certo, eu deixei, lá em casa, cinco cabeças vermelhos num alçapão.

A gaiola em referencia era do tipo para criação de peixes.

Desta feita, Zaqueu quebrou a cara.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Enviado por Amigos de Deus

Na palavra de Deus encontramos 821 vezes a palavra olhos. A partir disto vemos como é importante este órgão. Quando alguém tem um problema ocular e perde a menina dos olhos, dependendo do caso é feito um transplante e ele recebe então outro olho. A íris é única, cada pessoa tem a sua, é como uma digital não pode ser substituída! Você recebe outra, diferente, mas aquela nunca mais será substituída por que é unica.
Deus compara seu povo a menina de seus olhos, ou seja você é ÚNICO e insubstituível!

Outra pessoa pode tomar seu lugar e fazer pior, ou melhor, que você, mas nunca igual a você! A menina dos olhos é responsável pelo controle da luz que penetram nos olhos e com os quais podemos discernir visualmente todas as coisas. Passam os raios luminosos, sem a qual não poderíamos enxergar ou seja, seríamos cegos.

Infelizmente na ordem dos acontecimentos na Bíblia esta palavra foi primeiramente pronunciada pela serpente (satanás) e Eva engando-lhe dizendo:

"Porque Deus sabe que, no dia em que dele comerdes, se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal" Gênesis 3.5 (o resultado triste, nós já o sabemos e infelizmente a cegueira de lá para cá só tem aumentado...)

Os olhos de ambos foram abertos sim, apenas para verem a nudez em que se encontravam, não podiam mais suportar a presença Santa de Deus, pois suas "pupilas espirituais" já estavam deformadas.

Parte alguma do corpo é mais preciosa, mas delicada e mais cuidadosamente guardada do que os olhos, e a parte dos olhos que dever se guardada com maior cuidado é a parte central, a pupila, ou a menina dos olhos.

O sábio criador colocou os olhos num lugar bem protegido, estão cercados por ossos que protegem como os montes de Jerusalém.

A menina dos nosso olhos é a pupila a qual protegemos a todo custo.  Significa que Deus cuida e protege as nossas vidas. Segundo os oftalmologistas, esta é a parte mais sensível do corpo humano. É assim que Deus descreve a sua relação como o seu povo.

"Pois assim diz o Senhor dos Exércitos:... porque aquele que tocar em vós toca na menina do meu olho" Zacarias 2.8

Não esqueça você é importante para Deus.
Deus o protege
Deus cuida de você
Guarda-me como a menina do olho; esconde-me debaixo da sombra das tuas asas (Salmos 17.8),Então não se preocupe, pois Deus está cuidando lhe protegendo guardando, pois você é especial para Deus e para nós.

Eleandro Bisatto

006 - Varzea-Alegre, politica antiga - Por Antonio Morais


Onde existia um foco de resistência, de oposição aos Correia o pau cantava. Na eleição  para o mandato de 1951 a 1954, Chegou a Várzea-Alegre  um pelotão composto  por um tenente, um sargento, um cabo e nove soldados.

Puseram-se no sitio Lagoa do Arroz para  impedir a entrada  na cidade dos eleitores dos sítios Sanharol, Serrote, Boa Vista e São Vicente, reconhecidamente  reduto de oposição aos Correia.

Dali ninguém passava, o tenente dizia: pra onde você pensa que vai?  O caboclo dava meia volta e voltava com o rabo entre as pernas.

O velho José Bezerra do São Vicente, depois do meio dia, saiu rumo a cidade, no que foi seguido  pelos ribeirinhos. Quando Chegou na Lagoa do Arroz, o tenente perguntou: Pra onde o senhor pensa que vai?  Ele respondeu sem medo: Vou votar, e não vai ser você que vai impedir. Avançou, no que foi seguido pelos demais. 

Restou ao tenente dizer: velho mais teimoso. As urnas foram  apuradas em Lavras de Mangabeira e o resultado não podia ser outro: Deu Adelgides de Figueiredo Correia.

Pior que o pelotão da policia militar era a segunda opção ou seja a recorrência ao grupo de cangaceiros do Padre Cicero. Os Sátiros da Boa Vista, opositores dos Correias, receberam a visita do exercito do juazeirense e o cipó comeu no lombo, do menino ao velho. 


Bolsa Família completa 10 anos sem portas de saída.


Programa comemora o décimo aniversário com um quarto dos brasileiros recebendo o auxílio. A ajuda é necessária, mas seria melhor uma solução para tirá-los do círculo vicioso da esmola
 
ADEUS AO TRABALHO - Lucinete Nobre mora em Junco do Maranhão, o município com a maior proporção de habitantes assistidos pelo Bolsa Família. Ela deixou de trabalhar na roça e sustenta a família com os 216 reais que recebe por mês: “Tomara que continue assim pelo resto da vida".

Na cidade maranhense de Junco do Maranhão, a maioria dos 3 .790 habitantes passa o dia vendo televisão, cuidando dos afazeres domésticos ou batendo papo na porta de casa. São raros os que têm horário para cumprir no trabalho. Isso porque, em Junco, 90,5% da população vive com o dinheiro do Bolsa Família. É o município brasileiro com a maior proporção de cidadãos assistidos pelo programa federal. Lançado no primeiro mandato do presidente Lula, o Bolsa Família completa uma década no mês que vem. O objetivo anunciado era reduzir a pobreza e a desigualdade social com a transferência direta de dinheiro às famílias miseráveis. Dez anos depois, a pobreza de fato regrediu. Em 2003, o Brasil tinha 12% da população vivendo com menos de 2,8 reais por dia. Em 2011, o índice caiu para 4,2%. O Bolsa Família contribuiu para essa melhora, mas, obviamente, não foi o único responsável pelo bom resultado.

Impulsionado pelo consumo mundial de commodities como aço e ferro, o PIB do país experimentou um crescimento anual médio de 4,3% entre 2004 e 2011. O estímulo econômico fez ascender para a chamada nova classe média 35 milhões de brasileiros. O poder de compra do salário mínimo e o total de crianças matriculadas nas escolas aumentaram. Embora a pobreza venha diminuindo, a quantidade de dependentes do Bolsa Família cresce a cada recadastramento. Em uma década, o número saltou de 3,6 milhões de famílias para 13,8 milhões. Ao todo, são hoje subsidiados 50 milhões de brasileiros, um quarto da população do país. Nesse período, apenas 1,7 milhão de famílias deixaram de receber o auxílio. Os números superlativos fazem do Bolsa Família o maior programa de transferência de renda condicionada do mundo.

O Bolsa Família está presente em todos os 5.570 municípios brasileiros. Destes, 1.750 têm mais da metade da população vivendo parcial ou totalmente com o recurso federal. Ocorre que muitos beneficiários continuam sem perspectiva ou oportunidade de encontrar uma ocupação. É certo que, na vida em sociedade, a maioria produtiva deve auxiliar os incapazes, mas permitir que famílias inteiras sejam subsidiadas para sempre por um sistema que não estimula sua força de trabalho é favorecer a dependência.

sábado, 14 de setembro de 2013

Marginais do poder - Por Celso de Mello

Celso de Mello terá de decidir se os condenados que qualificou de ‘marginais do poder’ merecem escapar da punição.

video

Em 1° de outubro de 2012, o ministro Celso de Mello justificou a condenação dos integrantes do esquema do mensalão com argumentos que transformaram seu voto numa peça jurídica histórica. No trecho gravado em vídeo, por exemplo, o decano do Supremo Tribunal Federal disse o seguinte:

Esses vergonhosos atos de corrupção governamental que afetam o cidadão comum - privando-o, como já se disse aqui, de serviços essenciais, colocando-os à margem da vida -, esses atos significam tentativa imoral e ilícita de manipular criminosamente, à margem do sistema constitucional, o processo democrático. Esses atos de corrupção parlamentar significam, portanto, tentativa imoral e penalmente ilícita de manipular criminosamente, à margem do sistema constitucional, o processo democrático, comprometendo-lhe a integridade, conspurcando-lhe a pureza e suprimindo-lhe os índices essenciais de legitimidade, que representam atributos necessários para justificar a prática honesta, a prática honesta e o exercício regular do poder aos olhos dos cidadãos desta nação. Esse quadro de anomalia, senhor Presidente, esse quadro de anomalia revela as gravíssimas consequências que derivam dessa aliança profana entre corruptos e corruptores, desse gesto infiel e indigno de agentes corruptores, tanto públicos quanto privados, e de parlamentares corruptos em comportamentos criminosos devidamente comprovados que só fazem desqualificar e desautorizar, perante as leis criminais do país, a atuação desses marginais do poder.

Na próxima sessão do STF, caberá a Celso de Mello desempatar a votação sobre os embargos infringentes. O mais antigo dos ministros terá de decidir se os condenados que qualificou de “marginais do poder” merecem escapar da punição.

Enviado por Amigos de Deus

José era o tipo do cara que você gostaria de conhecer. Ele estava sempre de bom humor e sempre tinha algo de positivo para dizer. Se alguém lhe perguntasse como ele estava, a resposta seria logo:  Se melhorar estraga. Ele era um gerente especial, pois seus garçons o seguiam de restaurante em restaurante apenas pelas suas atitudes.

Ele era um motivador nato. Se um colaborador estava tendo um dia ruim, José estava sempre dizendo como ver o lado positivo da situação. Fiquei tão curioso com seu estilo de vida que um dia lhe perguntei: Você não pode ser uma pessoa tão positiva todo o tempo. Como você faz isso?

Ele me respondeu:

A cada manhã ao acordar digo para mim mesmo, José, você tem duas escolhas hoje. Pode ficar de bom humor ou de mau humor. Eu escolho ficar de bom humor. Cada vez que algo de ruim acontece, posso escolher bancar a vítima ou aprender alguma coisa com o ocorrido. Eu escolho aprender algo. Toda vez que alguém reclamar, posso escolher aceitar a reclamação ou mostrar o lado positivo da vida.

Certo, mas não é fácil, argumentei. É fácil, disse-me José. A vida é feita de escolhas. Quando você examina
a fundo, toda a situação sempre há uma escolha. Você escolhe como reagir às situações. Você escolhe como as pessoas afetarão o seu humor. É sua a escolha de como viver a sua vida.

Eu pensei sobre o que José disse, e sempre lembrava dele quando fazia uma escolha.

Anos mais tarde soube que José cometera um erro, deixando a porta de serviço aberta pela manhã, foi rendido por assaltantes. Dominado, enquanto tentava abrir o cofre, sua mão, tremendo pelo nervosismo, desfez a combinação do segredo.  Os ladrões entraram em pânico e atiraram nele.

Por sorte ele foi encontrado a tempo de ser socorrido e levado para um hospital. Depois de 18 horas de cirurgia e semanas de tratamento intensivo, teve alta ainda com fragmentos de balas alojadas em seu corpo.

Encontrei José mais ou menos por acaso. Quando lhe perguntei como estava, respondeu: Se melhorar estraga.

Contou-me o que havia acontecido perguntando: Quer ver minhas cicatrizes? Recusei ver seus antigos ferimentos, mas perguntei-lhe o que havia passado em sua mente na ocasião do assalto.  A primeira coisa que pensei foi que deveria ter trancado a porta de trás, respondeu. Então, deitado no chão, ensangüentado, lembrei que tinha duas escolhas: poderia viver ou morrer. Escolhi viver.

Você não estava com medo? Perguntei:  Os para-médicos foram ótimos. Eles me diziam que tudo ia dar certo e que eu ia ficar bom. Mas quando entrei na sala de emergência e vi a expressão dos médicos e enfermeiras, fiquei apavorado. Em seus lábios eu lia: 'esse ai já era'. Decidi então que tinha que fazer algo.

O que fez? Perguntei:

Bem, havia uma enfermeira que fazia muitas perguntas. Perguntou-me se eu era alérgico a alguma coisa. Eu respondi: 'sim'. Todos pararam para ouvir a minha resposta. Tomei fôlego e gritei: Sou alérgico a balas! Entre as risadas lhes disse: 'Eu estou escolhendo viver, operem-me como um ser vivo, não como morto'. 

José sobreviveu graças à persistência dos médicos, mas também graças à sua atitude. Aprendi que todo dia temos a opção de viver plenamente.

Afinal de contas, 'ATITUDE É TUDO'.

Agora você tem duas opções: Ler esta mensagem e guardá-la, ou, Recomenda-la para seus amigos.

Espero sinceramente que você escolha a Segunda opção.

Sua felicidade depende de você!

Afaste de sua vida tudo que estiver fora do caminho de Deus, claro que não é fácil, porém, pensamentos positivos controlam a mente para boas atitudes e aos poucos os caminhos se abrem e a persistência anda ao lado do sucesso. 

A MIM FEZ MUITO BEM...

desconheço o autor

005 - Várzea-Alegre, política antiga - Por Antonio Morais

Lembremos uma velha história contada sobre o folclore do saudoso Coronel Antônio Correia. Diz-se que na Várzea Alegre dele, sem contrastes ainda, Seu Toin, como o chamavam, dava atenção aos eleitores e, à medida que iam pegando o prato pra comer do boi morto na madrugada, com feijão novo e arroz pilado sem parafina, ele entregava o envelope com as chapas, pra prefeito, vereador, deputado estadual e federal e governador, que  naquele tempo era tudo junto. 

O voto era conquistado em conjunto. Da cabeça ao rabo. O eleitor saia dali e, com o buchim cheio, ia direto pra urna depositar o voto com envelope e tudo.

Um dia, numa eleição meio apertada, um cidadão lá cismou de perguntar pra o Coronel Antônio Correia:

Seu Toin, em quem é mesmo que eu vou votar?

E o Coronel em cima da bucha.

Tu é besta caboclo! Tu num sabe que o voto é secreto!

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Ministro Joaquim Barbosa.


"Somos o único caso de democracia no mundo em que condenados por corrupção legislam contra os juízes que os condenaram.

Somos o único caso de democracia no mundo em que as decisões do Supremo Tribunal podem ser mudadas por condenados.

Somos o único caso de democracia no mundo em que deputados, após condenados, assumem cargos e afrontam o judiciário.

Somos o único caso de democracia no mundo em que é possível que, condenados, façam seus habeas corpus, ou legislem para mudar a lei e serem libertos".

Presidente do STF - Ministro Joaquim Barbosa.

Enviado por Amigos de Deus.

Há vários anos, os habitantes de Londres foram surpreendidos com uma série de ataques terroristas, cujo saldo foi de 52 mortos e mais de 700 feridos.

Certo passageiro que estava em um dos trens do metrô, no qual uma das bombas explodiu, relatou que os sobreviventes presos às ferragens começaram a orar a Deus.

Pelo que oravam?

Que Deus os mantivesse vivos na precária situação em que estavam: presos em um túnel, com fumaça e fedor de produtos químicos invadindo o ar?

Pediam misericórdia?

Quantos tinham algum relacionamento anterior com Deus? Quantos perceberam que estavam à beira de uma experiência infinitamente mais terrível que aquela? Ou que estavam diante de um inimigo bem mais poderoso que os terroristas executores de crime tão hediondo? Deus é verdadeiramente gracioso, pois permite que o sol brilhe sobre os bons e maus (Mateus 5.45).

Isso deveria nos compelir a conhecê-Lo e amá-Lo.

Ao dar Seu Filho para morrer por nós e nos salvar dos nossos pecados e do controle de Satanás, Deus tornou a vida eterna disponível a todos os que creem no Salvador, Jesus Cristo.

Catástrofes e tragédias como a de Londres nos mostram como repentina e rapidamente podemos passar da vida para a morte, do temporal para o eterno.

E será que você terá tempo para pedir algo a Deus? E será que Deus serve apenas para a hora da nossa morte?

Extrato Devocional Boa Semente

Colaboração de Um Amigo de Deus J. C. Madeira

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Discórdia


A agressividade está aumentando cada vez mais. Por qualquer motivo se grita, se diz palavrão, se bate, se mata. Maldade, inveja, feitiços, agouro...Sempre haverá aqueles que apelam para ignorância. Se não existisse o ódio, não daríamos tanto valor ao amor.

Que bom se voltasse à mente da pessoa adulta aquela maneira de ser de criança, aquele espírito e coração que briga, mas logo esquece: está brigando novamente, mas não leva a mal.

“O ódio é como um ácido, pode fazer mais mal ao recipiente onde está do que em quem se derrama”.

Eduardo Campos diz para Cid Gomes que disputará a Presidência e cobra posição - Blog do Eliomar de Lima


Cid e Campos – Juntos politicamente… só numa carona mesmo.

O governador de Pernambuco, Eduardo Campos, em conversa com o colega e correligionário cearense Cid Gomes, colocou todos os pingos nos is e confirmou, mais uma vez, que será sim candidato à Presidência da República em 2014. Os detalhes da conversa foram divulgados pelo blog de Gerson Camarotti, comentarista político da Globo News, e, de acordo com ele, a longa conversa se deu no início desta semana, começando na noite de segunda e seguindo até a madrugada de terça-feira.

Segundo o comentarista, Eduardo Campos alegou a necessidade de uma segunda candidatura dentro do campo das esquerdas durante o próximo pleito, acrescentando que fará uma campanha respeitosa na disputa contra a presidente Dilma Rousseff. Em meio a confirmação de suas intenções, o pernambucano quis saber qual será o posicionamento de Cid, cobrando uma definição sobre sua saída ou não do PSB, já que, se decidir ficar, terá que assumir seu papel como membro do partido.

Orós.

O Varzealegrense que se presa têm um toque de humor em tudo que faz. Desde os intelectuais Joaquim Ferreira, jornalista da BBC de Londres, Padre Vieira escritor de renome nacional e José Clementino do Nascimento, compositor conhecido no mundo da musica por suas composições inusitadas até aquele inocente que brota de forma espontânea por todo o seu abençoado solo.

Entre eles, José de Souza Lima, o conhecido Pé Veio, casado com uma prima conhecida legitima por Munidinha, uma cidadã calma, paciente, nervosa por herança de seus antepassados. Se tomasse café pela manha, no decorrer do dia não chupava uma laranja ou qualquer outra fruta por precaução, podia fazer mal.

Antes de dormir fazia Ave Maria três vezes e rezava terço para não morrer de repente e amanhecer o dia do outro lado. Banho, só com “água quebrada a frieza” como dizemos por aquelas bandas.

Em 1985, quando se teve a noticia da sangria do Açude de Orós, muita gente acorreu ao local para apreciar aquele fenômeno da natureza. Eu fui com a família, fizemos um belo passeio de lancha, paramos um pouco numa ilha, tomamos banho e almoçamos uma Curimatá ovada com cuscus de milho e baião de dois.

De volta, demos de cara com o nosso amigo Pé Veio, em cima da parede do açude, de boca aberta, admirando aquela obra da natureza. Fui até ele, cumprimentei e perguntei: PÉ VEIO, porque você não trouxe dona Mundinha para ver toda essa beleza, essa sangria espetacular, fazer um passeio de lancha e tomar um banho nessas águas abençoadas?

Ele respondeu: Morais, você acha que eu ia poder “AMORNAR” essa água toda?

Terra dos Raimundo - Por Antonio Morais

Desde Raimundo Duarte Bezerra, papai Raimundo, há quase 200 anos, que veneramos São Raimundo Nonato, protetor da gestante e nosso padroeiro. Não há uma casa em Várzea-Alegre que não tenha um, dois, ou até mesmo três Raimundo ou Raimunda.

Pelas décadas passadas o padre da cidade viajava para celebrar as missas nos distritos e comunidades rurais montado em lombo de animais. Poucos no município se davam ao luxo de possuir um carro. Raimundo Teófilo, fazendeiro, proprietário de fazenda no sitio Vacaria tinha um JEEP, velhinho como diabo, dava um trabalho danado para pegar, mas quebrava o galho nas emergências.

Um belo dia, o Raimundo vinha para cidade e ao atravessar o riacho da Moça molhou o distribuidor do carro que não houve jeito para funcionar novamente. Desceu do carro junto com a filha Raimunda, com a esposa Raimunda, com uma raiva danada do filho Raimundo Valdezar, pois atribuía que o carro não funcionava por falta de gasolina, fato que ele não admitia.

Enquanto aguardava uma solução o distribuidor enxugava a sujeira da água. De sorte, que lá vem o padre Raimundo Monteiro no seu alazão, e perguntou: O que houve? Seu Raimundo! Falta de gasolina, seu padre, já falei pru cabeça dura do Raimundo Valdezar que carro não anda sem gasolina e ele não toma jeito.

O padre olhou para Raimundada e disse brincando: Vocês têm fé em São Raimundo? Temos muita, responderam em uma só voz. Pois assim sendo, coloquem um litro dessa água que corre no rio que o carro vai funcionar e vocês chegarão ao destino. O problema do carro não era gasolina, era o distribuidor ou carburador encharcado.

Seu Raimundo despejou um litro de água limpinha no tanque do JEEP que já tinha 35 litros de gasolina e ao sentar-se na poltrona, atolou o pé com vontade, deu uma acelerada forte, o carro funcionou e foi embora se encobrindo na poeira da primeira curva.

Diante de tamanha fé o padre Raimundo Monteiro olhou para o ajudante de sacristão Raimundo Anjo e abismado lascou: vão ter fé assim em São Raimundo no inferno.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Salve Dilma.


Boas companhias.

video

ORDEM E PROGRESSO EM VÁRZEA ALEGRE - Por Antonio Gonçalo de Sousa


Era bonito de se ver a importância da autoridade de Levi Nogueira gritando palavras de ordem, que ressoavam na esquina  da farmácia de Zé de Ginu, antes mesmo do desfile apontar na rua do Juazeiro (Dr. Leandro Correia). Apesar do som estridente da charanga, os plenos e bons pulmões do devotado comandante ecoavam  na esquina do mercado público: “Direita volver”, “escola”, “marchar!”. E a multidão acompanhava o cortejo naquele céu azul das ruas de Várzea Alegre. O coração de cada um dos cidadãos daquela simples cidade sentia a sensação de “ordem e progresso”  e era como se ali representassem as linhas retas das ruas  de Brasília. O importante era venerar o Pavilhão Nacional, que ia à frente desbravando o calçamento, ou até mesma alguma viela em chão batido. Além das devotas professoras, que não se furtavam em auxiliar o mestre de cerimônias dedicado, haviam ainda as presenças dos paroquianos e destemidos “Paulo de Vicente Cesário” e Luiz de Expedito Beca”, que, como cabos de guerra, mostravam autoridade e exigiam disciplina e perseverança dos alunos. E olha lá se algum deles fosse flagrado olhando de lado, em contrapasso ou sem obedecer o alinhamento do pelotão. 
   

Os preparativos e ensaios duravam cerca de um mês, para, finalmente, professoras dedicadas e demais auxiliares aviarem faixas de papel crepom em verde e amarelo, cavalos enfeitados, fitilhos, cornetas, tamborins estilizados, comitiva cívica, tudo ali feito comissão de frente em desfile de escola de samba. Os estilos diferenciados das fardas cortada em caque, com duas listas brancas verticais nos lados das pernas das calças dos homens e os mesmos distintivos  horizontais nas sais plissadas das mulheres diferenciavam e indicavam que ali estavam os pelotões do Grupo Escolar José Correia, que representava a elite das escolas da cidade. Mais atrás e, não deixando transparecer humildade, vinha o pelotão com uniformes em calça de brim cor de cinza e camisas brancas, com uma fina e discreta lista branca enfeitando os lados das calças dos homes e, pelo que lembro, nas saias das mulheres não havia nada de especial. Eu e outros colegas estávamos ali naquele meio. Entusiasmados.  Outras escolas, das quais não me lembro dos nomes também desfilavam. O estridente apito final só viria quase ao meio dia, quando os alunos já suados e famintos assistiam esticados e fervorosos discursos das autoridades em frente à Prefeitura Municipal.


No final da solenidade, todos voltavam cansados, mas aliviados iguais ao Príncipe D. Pedro, quando, às margens do Ipiranga, arrancou do peito as insígnias que prendiam o Brasil à Coroa de Portugal. Eram tempos de chumbo, ditadura militar, greves, protestos, que na maioria deles não chegavam a ser conhecidos por aquela nobre plebe varzealegrense. O importante era que o Brasil estava em “Ordem e Progresso”. Talvez, por trás das guirlandas do palanque, de um rádio simples em uma cabeceira de mesa de uma casa igualmente singular, pudesse ser ouvido o som estridente da bela música de Dom e Ravel: “Eu te amo meu Brasil eu te amo, meu coração é verde e amarelo e branco azul anil”.........    

MILHO - POR ANTONIO MORAIS


O milho que os nordestinos tanto reclamam para salvar parte do seu rebanho, e, que o governo descaradamente promete e sonega, é vendido a 10.00 nos estados produtores. 

O governo  revende aos nordestinos por um preço médio de 22.00 a saca. Com uma diferença de 120% da compra para a revenda.

O governo arrota, acha que faz favor, embora deixe faltar. Faz dos nordestinos,  idiotas desprezíveis. Engana-os deliberadamente.

Nada neste governo é serio. As dividas rurais dos nordestinos, anunciadas com pompa para promover políticos oportunistas, também  não chegam aos seus beneficiarias. Na hora da negociação com o banco  são tantas as exigências e limites que poucos se enquadram ao beneficio.


Perdão mesmo só para países como Venezuela, Bolívia e os africanos.  Certamente porque esses povos, alem de muito pobres são governados por ditadores tiranos e corruptos, a predileção deste governo.

Enviado por Amigos de Deus.

Depois de muitas chuvas vem uma noticia de Santa Catarina o major recomenda que os moradores verifiquem se há blocos soltos, pedras e rachaduras no solo em volta de suas casas.

As noticia não são boas, pois muitas pessoas perderam tudo e outras até a vida. Fazendo a analogia leva-nos a refletir que é preciso também estarmos firmados na rocha  para andarmos em segurança para que muitos desastres não nos abale, essa Rocha é Cristo.

"E desceu a chuva, correram as torrentes, sopraram os ventos, e bateram com ímpeto contra aquela casa; contudo não caiu, porque estava fundada sobre a rocha." (Mateus 7.25). Jack Lannom, orador especializado em motivação, diz que a grandeza de nossas vidas depende da fundação onde elas estão construídas. As pessoas podem não ver onde estamos fundamentados, mas observarão os frutos de um alicerce sólido através do qual conduzimos nossas vidas. Ele ilustra seu ponto de vista da seguinte maneira: a maioria das pessoas olha para o edifício Empire State e diz:

"Uau! Que prédio incrível!"

Porém, um arquiteto, alguém que realmente conhece edifícios, ao olhar para o mesmo prédio, exclama:

"Uau! Que fundação!"

Nenhum edifício pode alcançar uma grande altura ou resistir ao teste do tempo se não tiver uma fundação bem sólida.

Como temos construído a fundação de nossas vidas?

Elas estão firmadas em nossa própria força?

Em nossa competência?

Em nosso dinheiro?

Nas pessoas importantes que conhecemos e em quem depositamos toda a nossa confiança?

E se a força nos faltar?

E se a nossa capacidade não for tão grande quanto necessária?

E se perdermos todo o dinheiro?

E se as pessoas importantes se afastarem de nós?

O que nos sobrará?

Precisamos estar alicerçados em uma fundação que nunca falha, que nunca desaparece que nunca nos abandona.

Jesus é esse fundamento.

Ele jamais nos frustrará jamais nos desamparará, jamais deixará de cumprir as Suas promessas.

Ele nos ama apesar do que somos, nos protege mesmo quando não merecemos, está conosco mesmo quando Lhe somos indiferentes.

Quando o Senhor está em nosso coração, as pessoas certamente comentarão ao nosso respeito

 "Uau! Pelo brilho de seu rosto eu vejo que você é um filho de Deus!"

Paulo Barbosa