Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


quinta-feira, 20 de junho de 2019

146 - O Crato de Antigamente - Por Antônio Morais.


José Augusto de Lima Siebra, natural do sitio Riacho Fundo em Várzea Alegre, foi casado duas vezes. Foi proprietário e morador no sítio Malhada e na Sede urbana, onde hoje é nome de rua.

Foi casado duas vezes. Da primeira com  Maria Águida de Brito, viúva por falecimento de Raimundo Caetano de Lima, de 34 anos e ele solteiro de 27. Casaram-se em 21.09.1908, tendo por testemunhas Macário Vieira de Brito e Manuel Vieira de Brito irmãos da noiva.  Deste casamento nasceram Maria Augusta, Maria Stela, Maria Cieci e Juval.

Em segundas núpcias Zé Augusto casou-se com a também viúva Georgina Norões  Maia, Geó, viúva por falecimento de Francisco Gomes de Matos, ele com  72 anos e ela com 34 anos de idade, sem filhos.  

No dia 18 de Julho de 2019, será lançado  o livro  no ICC - Instituto Cultural do Cariri com a obra do grande poeta.

Hino ao cariri - Por José Augusto de Lima Siebra.

No Cariri tudo é belo
Tudo é galas e primores
É belo no sítio ameno
Ver-se flores multicores.

É belo o cantar das águas
Que vem de encontro à pedreira
A brisa a gemer nas folhas
Da majestosa mangueira.

Soluça a patativa
Na folha da bananeira
A juriti tão saudosa
Chamando a companheira.

Vê-se a beleza que tem
Os grandes canaviais
O canto dos passarinhos
Na fronde dos laranjais.

Ouve-se o rumor nas folhas
Do coqueiro pelo vento
Fitar os círios eternos
Que habitam no firmamento.

Que primavera meu Deus
Desponta no mês de abril
Maio, um altar a Maria
Coberto de flores mil.

Eu como sou filho desta
Terra cheia de delícias,
Quero viver no seu seio
Gozando suas carícias.

5 comentários:

  1. Oh, coisa bonita, Morais, com a sua permissão eu vou te roubar esse poema, pra postar lá no Blog do Crato também, para que nossos leitores tenham esse prazer que eu tive ao ler coisa tão bela.

    Eu só não sei de quem é essa foto tão bonita também.

    Abraços,
    Bom Dia!

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  2. Nesse poema, Jose Augusto descreve o Cariri revelando a sua paixão pela natureza e pelas belezes da terra onde nasceu, viveu e amou. Grande poeta.

    ResponderExcluir
  3. Prezado Dihelson.

    Tens toda permissão, na verdade um belo poema. A foto a encontrei sem identificar a autoria, por razão não a fiz. Um abraço. Esse poeta é uma das glorias nascidas em Varzea-Alegre e com grande permanencia em Crato. Grande poeta de inteligencia rara.

    ResponderExcluir
  4. absolutamente encantada com o refinamento da poesia de José Augusto Siebra de Lima..... contentaça com esse resgate afetivo literário....

    ResponderExcluir
  5. Olá Antonio Morais, gostaria de esclarecer que do seu primeiro casamento, José Augusto de Lima Siébra (meu avô) teve 4 filhos: Maria Augusta,Maria Stela,Maria Cieci e Juval.

    ResponderExcluir