Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Boas lembranças - Por Antônio Morais


Lembranças são saudades. Saudades são ausência e presença. Trazer para o presente o que está ausente. Quem não o faz? Quem não assistiu “O Dolar Furado”? Vou deixar de conversa fiada e concluir pedindo para os amigos baixarem e verem este vídeo. Prestem bem atenção ao assobio. Certamente terão boas recordações.

video

22 comentários:

  1. Carlos Eduardo e Magali.

    Com certeza vocês são testemunhas deste nosso depoimento. Nossas residências ficavam no Sossego, a 300 metros uma da outra. Apesar de tão perto, nunca fomos tão próximos. Vocês cuidavam de suas ocupações e nós da nossa. Sempre vimos em vocês um casal exemplar. Nunca tivemos inveja, porque inveja é pecado, mas tentamos imitá-los pelos belos exemplos. Depois do São Jose, daquele encontro na casa do Thales e da Socorro, com os testemunhos do Gabriel, do Armando, do Dihelson, do Zenilton e outros é que passamos a ver o quanto somos amigos. Depois dos 60 anos é que tomamos ciência e idéia exata do que é a VIDA, como muito bem diz o seu livro: “Historias que vivi e contei”.

    Um abraço fraternal dos seus amigos.

    Morais e Nair.

    ResponderExcluir
  2. AGORA VOCE ME FEZ LEMBRAR A AMPLIFICCADORA DO CINE ALVORADA NA ANTIGA MAJOR JOAQUIM ALVES NO CENTRO DA CIDADE FAZENDO OS ANUNCIOS DOS FILMES QUE SERIAM EXIBIDOS A NOITE A PARTIR DAS 4, 5 DA TARDE DAVA PRA OUVIR DA MINHA RESIDENCIA NA RUA DEZ DE NOVEMBRO. ESSA DAÍ CHAMAVA ATENÇÃO! "O FILME É DE FAROESTE".
    É TEMPO BOM....

    ResponderExcluir
  3. É...

    O Carlos Eduardo Esmeraldo é uma figura impar.

    Apesar de havermos morado na mesma cidade, nossos contatos fôram pouquissimos, por isto naqueles tempos idos, não criamos vinculos de amizade.

    Lembro do Carlos, quando em 1977precisei falar com ele lá na antiga CELCA, em Juazeiro do Norte, para projetar e autorizar a extensão de uma rede elétrica de 250 metros, Partindo da rua do lameiro (hoje Av. José Horácio Pequeno) até a minha casa.

    Fizemos a negociação e paguei o valor estipulado. Era quase tanto quanto o valor da minha pripriedade naquele tempo. E ele me advertiu: Almeida, você sabe que 24 horas após a instalação da rede elétrica, ela passará ao domínio público? Eu disse: já me falaram dessa besteira. Ele riu e nada mais comentou. 15 dias depois, a rede estava concluida.

    34 anos depois o encontrei aqui, nos bits e bytes desta caixa preta chamada microcomputador, através do Blog do Sanharol, e passei a admirá-lo pelas matérias postadas.

    A Magali, também encontrei aqui. Durante muitos anos fui contador do seu pai, o saudoso e renomado Dr. Aníbal.

    Vendo esta postagem do A. Morais e o vídeo, lembrei de tanta coisa boa dos tempos idos, que me bateu aquela saudade.

    Para você Carlos, que gosta de reminisçências, vai lembrar de muita coisa com esta postagem.

    Um grande abraço do

    Vicente Almeida

    ResponderExcluir
  4. Morais:
    Uma homenagem pertinente, esta que você fez ao casal Carlos Eduardo/Magali.
    Sou amigo do Carlos desde a década 60, quando éramos colegas, e sentávamos -- lado a lado -- no tradicional Colégio Diocesano.
    Carlos Eduardo é uma pessoa de boa índole, educada, de caráter irrepreensível. Estudou e trabalhou duro no início da sua vida profissional. Teve a sorte de ter como esposa uma pessoa com as qualidades de Magali. O casal criou os 3 filhos que são exemplares. Merece a sorte que recebeu de Deus Pai e Providência.
    Abraço ao Carlos e nossos cumprimentos a Magali.
    Armando Lopes Rafael

    ResponderExcluir
  5. Maravilha de homenagem, Morais. Você tem razão: Carlos e Magali são um exemplo e ser seguido. Magali foi a primeira amiga que tive em minha vida. Quando ia de Serra Verde ao Crato, antes de morar em Crato, ficava hospedada na casa de Padrinho Aníbal e Madrinha Marineida, partilhando com Magali os seus brinquedos e as brincadeiras na calçada.

    Por isso muito justa a homenagem e ótima escolha do vídeo que traz muita lembrança, sim!

    Abraço a você e Nair

    Claude

    ResponderExcluir
  6. Caro amigo Antonio Morais.

    Puxa amigo, você exagerou na dose. Eu e Magali ficamos muito sensibilizados.
    Morais, na época em que residimos no Crato, quase não tinha contatos com os vizinhos, pois trabalhava em Juazeiro, na Coelce pela manhã nos dois expedientes e à noite na Faculdade de Engenharia de Operação do Juazeiro. Usava o Crato quase que exclusivamente como cidade dormitório, o que era uma pena. As perdas foram enormes. Para complicar ainda mais, fui nomeado diretor da Engenharia de Operação, mas não aceitei ficar à disposição exclusiva dela, pois o funcionamento daquela instituição era apenas à noite e aos sábados. Apenas solicitei que quando necessitasse me ausentar durante algumas horas do dia ou em caso de viagens, a Coelce me liberasse. (Somente viajei uma única vez à Brasília com o Dr. Martins Filho). Desse modo, não me afastei de minha real profissão. Cai numa outra, a de professor que gosto muito também, a ponto de decidir não me aposentar no momento, uma vez que os médicos me asseguraram que a partir de março poderei voltar à minhas atividades sem nenhum risco. Mas eu lhe via na cidade e uma vez fui muito bem atendido por você no BICBANCO quando fui descontar umas ações que herdara do meu pai.
    Ao Dólar Furado não assisti, mas vi umas três vezes “Três homens em conflito” do mesmo diretor e com os mesmos atores, inclusive com a mesma música que você postou. Quantas recordações, não é mesmo?
    Agradecemos também aos seus netinhos Thays e João Pedro herdeiros do Blog e do Sitio Sanharol. Como eles escrevem bem! Prometem. Votos de que continuem estudando e assegurem um futuro brilhante.
    Ao Vicente Almeida, nossos agradecimentos. Lembro-me dele e do seu irmão, já rapazinhos trabalhando e estudando na Associação Comercial. Tinha já àquela época uma grande admiração pelos dois. Posteriormente ficamos muito amigos do seu irmão José Almeida a quem chamamos Almeidinha e à Gildene, sua mulher.
    Armando foi um dos meus primeiros amigos na minha vida pós-Seminário. Aí pelos idos de 1961, ficávamos no banco da Siqueira Campos, onde Armando me instruía com seus vastos conhecimentos para um adolescente de 12 ou 13 anos. Já era monarquista naquele tempo. Certa vez li, acredito que na revista “A Província” um artigo tão bem feito em que o Armando defendia a monarquia, que fiquei p. da vida por não termos um rei.
    A todos vocês nosso abraço de agradecimento. Cada vez somos mais devedores.
    Carlos e Magali

    ResponderExcluir
  7. Morais,

    Só para reforçar as palavras de Carlos. Somos também admiradores dos casais: Morais e Nair e Armando Rafael e Yeda. Se nós servimos de exemplo para vocês, o que é uma grande responsabilidade, vocês também servem de modelo para nós. Esperamos sempre cultivar e conservar amizades tão valiosas! Na próxoma vez que estivermos no Crato, nos reuniremos novamente no São José.

    Abraços

    Magali e Carlos

    ResponderExcluir
  8. Morais,

    Outra amizade que queremos preservar e que é muito valiosa para nós é a de Claude. Através dos blogs nos reencontramos e isso foi muito importante, pois Claude é uma pessoa maravilhosa! Agradecemos a Deus pela honra de termos amigos tão bons!

    Abraços a todos.

    magali e Carlos

    ResponderExcluir
  9. Prezados Carlos e Magali.

    O blog do Saanharol é uma familia composta de 20 colaboradores, 100 seguidores e centanas de leitores e comentaristas.

    Com a finalidade de aproximar, unir e dar nais harmonia e integração a esta maravilhosa familia, eu tive a ideia de escrever algo pelo menos para os colaboradores. Iniciamos com muita honra com vocês dois. Os outros não estão livres de tambem serem insultados nas suas lembranças e saudades. Aguardemos o futuro.

    Abraços.

    A. Morais

    ResponderExcluir
  10. O Carlos Eduardo Esmeraldo e a Magali, sua alma gêmea, foram duas grandes jóias que ganhei na vida.

    Estou muito feliz pelo fato do Morais ter tido essa idéia de homenagear o Carlos e criado esse quadro. O Blog do Sanharol nos últimos meses deu um grande salto com seus inúmeros colaboradores. Morais tem um bom faro para encontrar as pessoas certas, que agregam, que vem para somar. Aqui se constrói mais em relações humanas do que na maioria dos Blogs do Cariri. O Sanharol hoje é a maior COMUNIDADE em forma de Blog do Cariri.

    Parabéns, meu grande amigo e colaborador Carlos Eduardo Esmeraldo. Deus foi tão bom para com ele, que hoje ele não só pode pagar a sua entrada no cinema, como também patrocina e ajuda a manter o Blog do Crato, ajudando a manter direta e indiretamente toda essa revolução de internet que estamos atravessando.

    Sem dúvida, um homem BOM perante Deus.

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  11. Caro Morais,
    O Blog do Sanharol tem sido um instrumento privilegiado na criação e manutenção de laços de amizade. As discordâncias idiossincráticas em nenhum momento obstam os diálogos. Por aqui reina a concórdia dos diferentes.

    Reparo a quantidade de postagens numa média elevada em que pessoas de todos os matizes humanos falam, discordam com elegância e fica valendo a fruição pelo o belo, o bom e o ético.

    Cada blog tem a sua característica e isso atende aos desejos humanos. O sanharol tem sua particularidade, criar e manter laços de afeição entre iguais.

    Esta homenagem ao Dr. Carlos Esmeraldo termina por ser uma linguagem de elevação de seu espírito generoso, mas que fala da linguagem do reconhecimento do valor humano de uma pessoa.
    Muito bonito seu gesto.

    ResponderExcluir
  12. Agradeço as referências ao nossos nomee registradas por Manólia Fiuza, Dihelson e Zé Nilton Figueiredo.
    Mais uma vez nossa gratidão ao Morais pela deferência. Vocês todos nos impuseram uma enorme responsabilidade, que de certa forma é um grande incentivo para melhorarmos comoseres humanos cada vez mais.
    Abraço a todos.

    ResponderExcluir
  13. Amigo Morais,

    A homenagem que você faz ao casal Carlos Eduardo e Magali traz um misto de recordação, companherismo e amizade. Observo pelas postagens a importância familiar desse par exemplar, que dignifica a sociedade contemporânea com a sua postura ética e religiosa.

    Parabéns ao Morais pela brilhante idéia de trazer um dólar furado para homenagear um casal ouro.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Morais,hoje mesmo recebi o livro do Carlos Eduardo,comecei a ler,já dei bastantes risadas,pelo o livro vejo o quanto o Carlos Eduardo foi e é querido pelo o povo das suas relaçoes pesoais.Agradeço ao Carlos pela a atenção e guardarei seu livro como uma lembrança das estórias bem contadas de um cratense pai dégua.Um abraço

    ResponderExcluir
  15. Eita diaxo, já estamos com 20 comentários ? 21 com esse aqui.

    Parabéns de novo!

    DM

    ResponderExcluir
  16. Parafraseando o José Nilton, eu diria que:

    "O sanharol tem sua particularidade, criar e manter laços de afeição entre DIFERENTES." - Isso é uma grande grande conquista!

    Abraços,

    DM

    ResponderExcluir
  17. Agora to aqui me lembrando de um carinha boçal que se acha grande escritor, que disse certa vez:

    "Porque você vai postar essa matéria num Blog tão insignificante quanto o Blog do Sanharol" ? Ahahahah - Que Deus tenha piedade dessa alma. O Sanharol hoje é uma referência em termos de Blog. Resta a esse coitado, engolir as palavras, ou injetá-las na veia.

    Abraços,

    Dihelson Mendonça

    ResponderExcluir
  18. Caro Dihelson,
    Na literatura sobre o mundo camponês tem um estudo chamado " Com parentes não se neguceia", de Claas Wortmann. Sua análise termina por mostrar que embora diferentes que somos por sermos humanos, na comunidade camponesa há uma relação de iguais. Iguais na imagem que fazem da vida e de sua sociabilidade. Iguais em honra, em prestígio e no cuidado em não marcar as diferenciações sócio-econômicas como obsstáculo para a convivência na reciprocidade necessária à vida em sociedade.
    Nesta perspectiva, o igual que usei foi para enaltecer este caráter de que formamos uma comunidade em que o dá, receber e retribuir afeições, afetos e amizade nos torna iguais. Só nisto.

    ResponderExcluir
  19. Dihelson.

    “A sabedoria é um carro sem freio que sobe a rua, cujo combustível é a humildade".

    ResponderExcluir
  20. Morais, muito boa essa tua idéia de escrever para cada colaborador. Acompanho esse blog desde a sua criação, apenas como seguidora. Depois você me convidou e cá estou muito grata por participar de um canal de comunicação maravilhoso. Há que se respeitar as diferenças, è claro. Nem os dedos de nossas mãos são iguais. Como educadora, divulgo o blog para alunos, professores e amigos porque sei que aqui se aprende muito. Eu particularmente tenho tentado aceitar aqueles mais audaciosos que se acham o máximo. Cada pessoa tem sua maneira de postar. A gente precisa respeitar a maneira de escrever de cada um. Devo essa lição a meu pai que era uma pessoa muito simples mas dizia a palavra certa no momento certo. Parabéns,Morais, você foi muito feliz na homenagem ao Carlos Eduardo que não conheço, pouco sei mas leio aqui no blog. Queria deixar um recado: não duvidem da capacidade deste blog. Aqui temos verdadeiras estrelas, cada qual com sua capacidade diferente de comunicar. O blog está crescendo, algum mérito a gente tem.
    Fafá

    ResponderExcluir
  21. Mais uma vez eu agradeço aos meus novos amigos dessa extraordinária familia chamada Sanharol: Abraço ao Dr. Sávio Pinheiro (se for dos Pinheiros do Pé de Serra do Crato, somos parentes), ao Rolim e a Fáfá que afirma se dá ao trabalho de ler os rabiscos que vez por outra ponho aqui.
    Muito obrigado a todos e de coração!

    ResponderExcluir
  22. Desapego - vivemos um momento de consumismo desenfreado, onde as pessoas são incluídas com base na aparência, nas marcas das roupas, no tipo de carro, no tênis que calça, dentre outros pontos, o que triste está inversào de valores. Hoje dia dos País, é um bom momento para que os país repensem os valores e legados que estão deixando para gerações futuras.

    ResponderExcluir