Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Luiz Lua Gonzaga - Parte VI - Por Antonio Morais

Regressando ao Exu, dezesseis anos depois, conversando com o velho Januário, minha mãe e irmãos, procurei relembrar as antigas musicas de um passado já bem distante, foi aí que minha mãe disse: Luiz, voce não se lembra daquela musica, daquela outra, e Asa Branca? Respondi que Asa Branca não dava, era muito mole. Muito capenga. Engano meu, de volta ao Rio, ao apresentar uma porção de composições sertanejas a Humberto Teixeira, entre elas, Juazeiro, Respeite Januário, e outras, o velho e querido compositor perguntou-me se não tinha mais. Respondi-lhe que tinha outra, mas que não servia, era meio fraca.

 Humberto insistiu para que eu apresentasse. Ao encerrar, ele disse euforico: ó compadre, essa aí é um primor. O resultado foi que todos sabem: sucesso absoluto e total. Mesmo assim, no dia em que fui gravar Asa Branca, o negocio era tão parecido com cantiga de cego que Canhoto, do regional de Lacerda, pegou um chapéu e saiu correndo nos músicos, imitando Luiz Gonzaga.

Região : Isso, Luiz, representou Humberto Teixeira para você, em vida. O que representa agora depois de morto?

Gonzaga - Para lhe ser franco neste momento, o que gostaria de fazer, a partir de hoje, era não fazer mais nada novo. Era sair só cantando Assum Preto, Respeita Januário, Asa Branca, Pé de Serra, Estrada de Canindé, Juazeiro, Légua Tirana. As coisas da mais profunda sensibilidade que eu e Humberto fizemos juntos. Mas, como continuo sendo um profissional, continuo gravando, tenho que lançar coisas novas, mesmo que não sejam para sucesso.

Tem muita gente aí de talento, fazendo coisas interessantes, mas Humberto e Zé Dantas foram realmente o ponto máximo do meu sucesso. Zé Dantas morreu muito mais jovem. Parece-me que com 41 anos. Humberto desaparece com 64. Para mim uma figura impressionante. Dificilmente desaparecerá da minha mente. Sua morte representa para mim uma perda irreparável. Um grande sujeito. Uma extraordinaria figura humana.

Luiz Gonzaga canta Asa Branca junto com diversos artistas entre eles Clara Nunes. Na próxima postagem falaremos do Jose Clementino, o poeta varzealegrense.

video

Um comentário:

  1. Assim concluímos a parte referente Luiz Gonzaga/Humberto Teixeira. Próxima semana faremos duas postagens com o Poeta bom do Boi do Banco - Jose Clementino do Nascimento.

    Juntos Luiz Gonzaga, Clara Nunes, João Bosco, Valdir Azevedo, Altemiro Carrilo, Caçulinha. Um grande vídeo. Uma verdadeira festa.

    ResponderExcluir