Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Professor José Bezerra de Brito, esse esquecido – por Armando Lopes Rafael


  A revista Itaytera, órgão oficial do Instituto Cultural do Cariri, no seu nº 22, correspondente ao ano de 1978, na página 40 publicou o abaixo:

 “Nascido em 6 de Junho de 1878, o Professor José Bezerra de Brito, dos mais ilustres filhos do Crato, completaria, se fosse vivo, neste ano, o seu Centenário. Foi emérito educador, líder católico e jornalista, deixando vasta obra de benemerência à sua cidade natal, o Crato, nesses 3 ramos da atividade humana. As homenagens do Instituto Cultural do Cariri”.

   Talvez tenha sido esta a única homenagem prestada a este mestre – um dos mais ilustres cratenses –, no ano do centenário do seu nascimento. Anos depois, em 1995, o Dr. Raimundo de Oliveira Borges publicou um livro de sua autoria (“O Crato Intelectual”), do qual retiro alguns excertos, constantes nas páginas 49 a 51. A conferir.

“Nasceu no sítio Malhada, município de Crato, no dia 6 de junho de 1876”. (Aqui deve ter ocorrido um lapso do Dr. Raimundo de Oliveira Borges, pois foi em 1978 que se comemorou o centenário de nascimento do Prof. José Bezerra de Brito, segundo consta na revista Itaytera, acima citada). “Filho de Vicente Alves Bezerra e de Isabel Bezerra de Brito. Professor Zuza Bezerra, na intimidade era assim chamado.

“Passando a residir em Crato, ainda criança, frequentou a Escola do Professor Raimundo Duarte e, depois, o Colégio Venerável Ibiapina, dirigido pelo Professor José Marrocos. Foi também aluno do Seminário São José promovendo-se aí até o Curso de Teologia, integrando mais tarde o corpo de professores desse conceituado e histórico estabelecimento, de tão gloriosas tradições.

“Casou-se duas vezes, a primeira com Maria Alves Bezerra e a segunda com Maria Rangel. Além de professor no Seminário, como se disse, ensinou ainda no Colégio Diocesano e nos diversos colégios da cidade. Residiu algum tempo na cidade de Várzea Alegre, de onde era natural sua primeira esposa, fundando ali uma Escola de Alfabetização.

“Vocacionado ao jornalismo, dirigiu em Crato os jornais “A Ação” e “A Região”, em que publicou trabalhos de real mérito. Exerceu também a advocacia, não só na cidade de Crato, como nas comarcas vizinhas. De primorosa educação, o professor Zuza era um homem de fino trato social. Um educador nato”.

“Noticiando-lhe o falecimento, J. de Figueiredo Filho publicou em Itaytera sentido necrológio em que ressalta: “Passou a vida no Magistério e a espargir o bem, munido de inteligência privilegiada e Fé inquebrantável. Só ensarilhou armas, quando os anos não mais lhe permitiram trabalhar”. (Até aqui citações do escrito do Dr. Raimundo de Oliveira Borges).

***      ***      ***
   Tive o privilégio de conhecer e conviver com o Professor José Bezerra de Brito, ele na ancianidade e eu ainda menino. Morávamos próximo um do outro, na Avenida Teodorico Teles. Meu pai tinha uma profunda admiração pelo velho professor, que era considerado por todos como um homem de bem, um cidadão exemplar em todos os sentidos.

     Recordo-me de ter lido alhures um depoimento do fundador das universidades cearenses, o eterno e admirável Reitor Antônio Martins Filho, onde ressaltava as características do homem íntegro que foi o Professor José Bezerra de Brito. Martins Filho foi aluno do Professor Zuza, na extinta Escola Técnica de Comércio de Crato, e guardou do antigo mestre a imagem de um homem de caráter, digno, honesto, sereno, justo, caridoso... um católico autêntico.

       Como sói acontecer com as pessoas que pensam no bem do próximo, o Professor José Bezerra de Brito viveu e morreu pobre. Criou, educou e deu o bom exemplo aos seus filhos. Serviu de modelo para as pessoas que escolheram enveredar pelos bons caminhos da vida.

       A recompensa a tudo isso certamente recebeu no Céu. Pois, na sua cidade natal, para não dizer que está totalmente esquecido, o Ginásio da Ponta da Serra recebeu o nome dele na administração do Prefeito Humberto Macário de Brito. Na cidade de Crato sequer denominaram uma rua com seu nome. É outro injustiçado, figurando ao lado de Dom Vicente de Paulo Araújo Matos, 3º bispo diocesano e maior benfeitor do Crato, que nunca recebeu uma homenagem de gratidão da cidade a que tanto serviu...
             

4 comentários:

  1. Prezado Armando - Vicente Alves Bezerra, pai do professor Zuza Bizerra era varzealegrense, filho de José Raimundo Duarte, o conhecido José Raimundo do Sanharol, que era filho do Papai Raimundo. Vicente casou com Isabel Bezerra de Brito filha do Major Eufrásio Alves de Brito. O casal teve dois filhos, Zuza e Antonio. Zuza se casou a primeira vez com Maria Alves Bezerra, sua prima legitima filha de Leonarda Bezerra do Vale, irmã do Vicente Alves Bezerra. Tudo que está escrito do velho Zuza é verdade e muito pouco para o que ele representou. Conheci, era de uma lhaneza no trato admirável. Nobreza impar. Os meus avós paternos e maternos eram tios legítimos dele. A nossa família em Várzea-Alegre não tomava nenhuma decisão sem que antes lhe ouvisse, tamanho era o respeito e admiração. Parabéns pela postagem.

    ResponderExcluir
  2. O professor Zuza Bizerra se casou a segunda vez com Maria Rangel da família da cidade de Jardim. As duas esposas, tanto a primeira como a segunda eram conhecidas por Mariquinha.

    ResponderExcluir
  3. É...

    Armando:

    É muito importante resgatar a memória de alguns dos nossos antepassados, pela sua dignidade e honradez e neste momento vc destaca o Professor José Bezerra de Brito.

    Ao ler algo sobre eles, nos sentimos também honrados pelo historiador e pelo personagem em destaque.

    Ontem lá na Praça Siqueira Campos vc falou sobre ele e em rápidas pinceladas descreveu com maestria a sua trajetória.

    Infelizmente nos dias de hoje não são mais as qualidades que se destacam, mas os defeitos.

    Aqui neste espaço já se falou sobre alguns inesquecíveis e outros quase esquecidos.

    Parabéns pela matéria.

    ResponderExcluir
  4. Vicente e Armando - Outro dia eu vi um depoimento do Bosco Peixoto onde ele declara indignado que a juventude não sabe de nada da historia.

    O historiador Antonio Correia Lima comentou que os alunos do Colégio Zuza Bizerra da Ponta da Serra perguntam quem foi Zuza Bizerra. Não sabem que o nobre personagem nasceu ali, que o seu avô Major Eufrásio Alves de Brito era proprietário do terreno onde está construído o Colégio e de uma área que se estendia desde a Ponta da Serra, passando pela Palmeirinha, Malhada alcançando a divisa com o município de Caririaçu. Uma pena, se o aluno não sabe o professor não ensinou, e se não ensinou é porque também não sabe.

    ResponderExcluir