Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


terça-feira, 16 de maio de 2017

079 - Preciosidades antigas de Várzea-Alegre - Por Antônio Morais.


Da direita para esquerda: Ex-Governador Adauto Bezerra, Zezinho Costa, Deputado Nilo Sérgio, Governador Virgílio Távora, Deputado Ossian Araripe, Prefeito Pedro Sátiro,  empresário Joaquim Diniz.

Quem me passou essa informação foi o deputado Nilo Sérgio : O governador Virgílio Távora  disse que Várzea-Alegre era a terra do fuxico.  Já era sabido que a maior decepção de Frazo do Garrote foi  ir a casa de João do Sapo, uma hora da manha contar um fuxico e Zé de Ana já lhe tinha contado.

De repente um zum zum zum se espalhava do Roçado de Dentro para o Sanharol. De boca em boca a historia se disseminava : "Chagas de Antônio do Sapo estava quase de morada no frege".

Um bisneto de papai Raimundo na fuzarca? Mas, quem teria coragem de contar para o pai dele. Ninguém.

Podia haver um piri paco, um mal súbito. Aquilo era uma coisa nunca vista, uma grande desonra para um lugar de muita fé e muitas beatas.

Perdeu-se o controle da história e o sigilo foi quebrado. Um dia, Antônio do Sapo descia para a feira semanal e, de passagem pela casa da Formiga foi abordada por Laura : "Antônio de tia Uninha", eu quero saber se você ainda não está sabendo que o Chagas está quase de morada no cabaré? Passa o dia todo jogando xibiu com as quengas. Não perde para nenhuma delas, ganha de todas,

Antônio do Sapo retornou para casa e mandou chamar o Chagas para uma conversa seria, afinal de contas, cabaré e jogar xibiu não são coisas para homem, especialmente do Roçado de Dentro ou do Sanharol.

9 comentários:

  1. É amigos, lendo essas duas historias sabemos o quanto evoluimos, para piopr é claro, hoje ninguem tem temor de nada: nem da autoridade, da justiça e até de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Você sabe que eu já não lembrava mais o jogo de "Xibiu".
    O "Xibiu" que eu lembrava era outro.
    Valeu pelo resgate.

    ResponderExcluir
  3. É verdade primo, essa eu não sabia,
    Mas de xibiu eu tenho uma para lhe mandar ou contar depois. Imagine a Leila Diniz jogando xibiu com Chica do Rato em V. Alegre.
    Mundim do vale

    ResponderExcluir
  4. Vou Aguardar. Chica do Rato se vestia melhor do que a Leila. Na missa ficava bem na frente do Padre e quando esse dizia: O senhor esteja covosco! Ela respondia: E comigo e contigo tambem!

    ResponderExcluir
  5. Seu Morais, essa história do "Jogo do Xibiu" foi de matar de rir, deixa todo mundo no suspense de saber o que havia de tão interessante nesse prostíbulo, pois o simples fato de muita "quenga" é que não era. Mas, ao final, veio a graça da história: Meu Deus, como é que um rapaz vai lá só pra jogar "Xibiu"? Como ele era ingênuo! E o senhor ao narrar essa história resgata uma brincadeira de criança muito antiga e que hoje não existe mais. Gostei da curiosidade sobre o nosso folclore!

    ResponderExcluir
  6. Agradeço pelo ultimo comentário. Seja bem vindo.

    ResponderExcluir
  7. Querido amigo Morais:

    Apenas por uma questão de fidelidade histórica, quero fazer uma pequena correção. Conversando comigo, o coronel comentou que era estranho o fato de no município vizinho - Farias Brito - em um mesmo ano terem sido assassinados o chefe da UDN e o chefe do PSD, enquanto em Várzea Alegre nunca se registrará uma morte por questões políticas. Eu que respondi: é senador, mas o senhor não sabe o tanto de fuxico que rola numa campanha.

    ResponderExcluir
  8. Onde se lê "registrará", leia-se "registrara"

    ResponderExcluir
  9. Prezado Nilo - Eu abreviei um pouco a introdução. Mas, sua correção chegou a tempo. Um grande abraço.

    ResponderExcluir