Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


quinta-feira, 9 de março de 2017

042 - Preciosidades antigas de Várzea-Alegre - Por Antônio Morais.

Cirilo Alves Bezerra e a filha Amelia, foto do inicio do seculo XX.

Manhã de Sábado, 08 horas exatas, do dia 29 de Agosto de 2009. Apanhei Pedro Piau e o filho Mundim do Vale e saímos para um roteiro não pré-planejado.

Passamos no Sanharol na casa de Antônia de Zé de Pedro André, depois fomos a casa do Dr. Meneses Filho, e por volta do meio dia chegamos a casa de Geralda de Pedro Batista e Fernando de Pedro Sousa.

Todo este tempo foi preenchido com histórias arrancadas do fundo do baú e que de qualquer modo compõem a memória de nossa terra e sobre tudo de nossa família. Pedro Piau com os seus noventa e hum anos parecia um menino.

Ele conhece  tudo da nossa historia e eu metido como diabo, aqui e acolá me danava a contar alguma lera. Mundim do Vale servia apenas de testemunha. Pelo menos uma historia do Pedro eu não conhecia. Pedro perdera a mãe aos cinco meses de idade e foi levado para casa de sua avó materna conhecida por Mãe Doar no sitio Sanharol.

Quando o pai Joaquim Piau se casou novamente resolveu levar o Pedro para o seio da nova família. Mãe Doar e especialmente a tia Raimunda se revoltaram com a decisão de tirá-lo do Sanharol. Uma dizia: isso é coisa de Mimosa, a madrasta, a outra, a mais chorosa, falava isto é coisa de Amélia da Lagoa do Arroz, ela quer o menino pra ela, mas vai chorar “godê” e não vai conseguir afastá-lo de nós.

Veja como o "termo godê", que não sei bem o significado, é antigo. Pra concluir aquela manhã valeu pelo encontro de amigos, de lembranças que deixaram saudades.

5 comentários:

  1. Esta historia registra o ano de 1920. Pedro Piau fala de ouvir o irmão Raimundo contar por ter sido o portador que o trouxe do Sanharol para Vazante. Fico no aguardo do significado do termo " Godê". O Mundim trará a resposta com certeza.

    ResponderExcluir
  2. Caro Primo Morais.
    A próposito daquela maravilhosa
    manhã de 20 de agosto, eu fiz um versinho brejeiro para lembrar, em seguida estou lhe mandando. Fiz também uma décima daquele conflito de geração do meu pai e seu neto.
    Sobre o termo chorar godê eu não tenho uma explicação significativa,
    mas eu acho que eles queriam dizer
    que a pessoa chorava mas que não
    coseguia resultado da pretenção.
    Abraço.
    Mundim do Vale.

    ResponderExcluir
  3. Mundim.

    Conforme o Dicionario de Antonio Alves, meu chará e tio do seu pai: Chorá Godê deveria ser = é trabaio perdido.
    Abraços amigo.

    ResponderExcluir
  4. Morais. Eu admiro muito a sua capacidade de decorar os fatos.
    Porque pelo que eu me lembro, nós
    falamos pouco da história.
    Não sei se eu mandei o verso;
    OPERAÇÃO RESGATE. Que fala desse causo. se não me avise que mandarei.
    Abraço.
    Mundim do Vale.

    ResponderExcluir
  5. Prezado Mundim - A filmagem feita pelo Fernando Sousa chegou a mim. O teu pai contou a historia do sequestro dele por Raimundo Piau. Um resgate histórico salvo da vala profunda do esquecimento.

    ResponderExcluir