Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Parte II - Luiz Lua Gonzaga - Entrevistas.

No Parque Asa Branca no Exu, o Rei do Baião fala sobre Humberto Teixeira, o parceiro que desapareceu.

Quando Região chegou ao Parque Asa Branca, a pouco mais de um quilometro da cidade de Exu, encontrou o cantor Luiz Gonzaga profundamente abalado com a noticia do falecimento do seu maior parceiro, o compositor Humberto Teixeira. Amargurado, triste, meio solitário, Gonzaga, numa longa entrevista, falou sobre seu amigo, contou fatos marcantes de sua existência, recordou o passado, muitas vezes com lágrimas nos olhos e a fala embargada pela emoção.

Entre Gonzaga e Humberto sempre existiu um vinculo muito significativo de amizade, alem de uma vivencia profissional de longos anos, que marcaram a existência dos dois famosos criadores do baião e divulgadores maiores da musica popular brasileira dentro e fora do pais. Assim viveram, assim lutaram, assim fizeram, poeta e cantor, a gloria da musica popular, conduzindo-a ao pedestral da fama e do prestigio impereciveis, impondo-a, pelas beleza das composições e a grandeza das interpretações, ao respeito e a admiração do grande publico.

Somente a morte de Humberto Teixeira romperia um longo período de parceria, de estima, de amizade, de criatividade. Foi uma fase áurea e fecunda da musica popular brasileira, que os dois souberam representar com grandeza de sentimento, com aquela paixão de bom cearense e de bom pernambucano.

Na sua entrevista a Região, Gonzaga desabafou. Colocou nas palavras toda sua emoção. Trouxe ao presente um passado de dificuldades e de glorias. falou sobre si. Falou sobre Humberto, seu inesquecivel parceiro. Falou sobre o tema eterno de suas inspirações: A musica popular brasileira. Gonzaga estava no seu ambiente, no seu pé-de-serra, no seu decantado sertão.

Região - O que representou, em vida, Humberto Teixeira para o Rei do Baião?

Resposta na próxima postagem.

Fonte - Andanças e Lembranças.

video

7 comentários:

  1. Prezados Leitores.

    Na proxima postagem Seu Luiz fala do encontro com Humberto Teixeira. Na verdade ele procurou o grande poeta Lauro Maia que não concordou em ajuda-lo, mas apresentou o Humberto que era seu cunhado. A emenda saiu melhor do que a receita. Acompanhe. Tem dados interessantes da historia dos grandes mestres da musica popular brasileira.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, pelas valiosas informações: Blog do sanharal é Cultura.

    ResponderExcluir
  3. O REI DO BAIAO TEM UMA HISTÓRIA MARCANTE NO NORDESTE DO BRASIL HUMBERTO TEIXEIRA FOI MARCANTE PARA O REI

    ResponderExcluir
  4. Prezada Maria de Fatima e prezado Claudio.

    Estamos falando de Luiz Gonzaga, Humberto Teixeira e posteriormente de Jose Clementino. Tres monstros da musica popular brasileira, e com muita tristeza o que se vê: poucos comentarios.

    ResponderExcluir
  5. Morais,

    O Humberto Cavalcanti Teixeira nasceu em Iguatu, em 05 de janeiro de 1915, tendo sido advogado, político, instrumentista, poeta, compositor, fundador e Presidente da Academia Brasileira de Música Popular.

    Da união com Margarida Teixeira, nasceu a atriz Denise Dumont, mãe de seu único neto, que ela teve com o ator Cláudio Marzo.

    Geograficamente, Várzea Alegre se encontra no epicentro da cultura, já que está localizada entre o Exu de Luiz gonzaga e o Iguatu de Humberto Teixeira.

    ResponderExcluir
  6. A. Morais, muito merecida a homenagem ao Rei do Baião, pois é o orgulho do nordestino no campo da música.É obrigação de todo sertanejo reverenciar Luiz Lua Gonzaga que cantou as belas do Nordeste pelo mundo afora. Tive a oportunidade de vê-lo cantando na carroceria de um caminhão, na praça pública em Sousa/PB, na época em que roubaram a sua sanfona.

    ResponderExcluir
  7. Prezado Nonato.

    Seu comentário além de agregar valores mata um pouco da saudade dos velhos tempos do Estadual onde vivemos a melhor fase de nossas vidas.

    Deus te abençoe amigo.

    ResponderExcluir