Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


terça-feira, 12 de abril de 2016

Vila Ipueira - Parte II - Postado por Antônio Morais


Mesmo sem causar muitas desordens, a presença do grupo não foi muito simpática ao Cel. Pedro Xavier, apesar de Lampião considera-lo amigo e respeita-lo nos seus pagos.

Homem serio, decidido, cuja mentalidade formada na velha tempera de homem do sertão, avesso ao desrespeito a pessoa humana, não gostou das pilherias e gracejos de alguns cabras do grupo, dirigidos as senhoras e moças do lugar. Decorridos poucos dias da visita de Lampião , o Cel Pedro Xavier mandou-lhe um recado macho: Não volte a Ipueira, do contrario será recebido a bala. O chefe supremo dos bandoleiros nordestinos não se fez de rogado e mandou-lhe a resposta em cima da bucha: Quando passei por Ipueira, respeitei você e sua gente, agora, com seu recado atrevido, a coisa vai mudar, prepare-se porque vai ter choro.

Com o recado de Lampião, o Cel Pedro Xavier tratou de reunir filhos, parentes e amigos para o esperado encontro com os cabras de Virgulino. Recrutando homens e efetuando compras de armas e munições, em larga escala, a família Xavier passou dois longos e martirizastes anos de espera. Expectativa dura, afirma Dezinho, no seu dramático relato. Nenhuma noticia do grupo. Até pareceu, afirma Dezinho, que Lampião havia esquecido a promessa de voltar a Ipueira. Os homens aglutinados foram cuidar de outros afazeres, noutras terras, Pouca gente ficou, a não ser os filhos, os parentes mais próximos do Cel. Xavier.
Continua.

Um comentário:

  1. Na proxima postagem, o cerco de Lampião a Ipueira e a reação do Cel Xavier. Acompanhe.

    ResponderExcluir