Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


segunda-feira, 11 de julho de 2016

Prepotência - Por Paloma Amado.



Paloma Amado, psicóloga e filha do escritor Jorge Amado.


Era 1998, estávamos em Paris, papai já bem doente, participava da Feira do Livro de Paris e recebera o doutoramento na Sorbonne, o que o deixou muito feliz.

De repente uma imensa crise de saúde se abateu sobre ele, foram muitas noites sem dormir, só mamãe e eu com ele. Uma pequena melhora e fomos tomar o avião da Varig para Salvador.

Mamãe juntou tudo que mais gostava no apartamento onde não mais votara e colocou nas malas.

Empurrando a cadeira de rodas de papai ela o levou para sala reservada. E eu, com dois carrinhos, somando mais de 10 malas, entrava na fia da primeira classe. Em seguida chegou um casal que logo conheci, era um politico do Sul, senador ou governador, já foi tantas vezes os dois que fica difícil lembrar. A mulher parecia uma árvore de Natal, cheia de saltos, cordões de ouro, berloques, o jegue na Festa do Senhor do Bonfim. É claro que eu estava de Jeans, e tenis, absolutamente exausta. De repente a senhora bate no meu ombro e diz: moça esta fila é da primeira classe, a de turistas é aquela ao fundo. Me armei de paciência e respondi: Sim, senhora, eu sei.

Queria ter dito que eu pagaria minha passagem enquanto a dela o povo pagara, mas não disse. Ficou por isso. De repente, o senhor disse a mulher, bem alto para que eu escutasse: Até parece que vai de mudança, como os retirantes nordestinos. Eu só sorrir. Terminei o check in e fui encontrar meus pais. Pouco depois bateram a porta, era casal querendo cumprimentar o escritor. Não mandei a puta que pariu, apesar de desejar fazê-lo. Educadamente disse não. Hoje, quando vi na TV o senador dizendo que foi agredido por um repórter, por isso tomou seu gravador, apagou o seu chip, fiquei muito arretada. Me deu uma crise de mariasampaismo, e resolvi contar este triste episódio pelo qual passei. Só eu e o gerente da Varig fomos testemunhas deste episódio, meus pais nunca souberam de nada.

O safado se chama Roberto Requião.

Paloma Amado - Pscologa, filha do escritor Jorge Amado.

2 comentários:

  1. Solidarizo-me com a filha de Jorge amado. Conheci tanto a Zelia Gattai quanto o Jorge Amado, quando os dois vieram à livraria Siciliano no Shopping Iguatemi em São paulo para o lançamento de Anarquistas Graças a Deus da Zelia. Sei o quanto os dois são pessoas simples e gosto de pessoas que não demonstram o que são através de indicativos artificiais. Temos em várzea Alegre um grande exemplo de um homem dessa natureza: Dr. Sávio Pinheiro. Quando o Morais disse-me que ele viria a nossa reunião de amigos, comentáristas e colaboradores do blog, logo pensei que, como médico, viria igual uma garça todo de branco.Ledo ivo engano! Chegou normalíssimo, assim, como todos nós.

    ResponderExcluir
  2. Os brasileiros, não só os do sul, mas os nordestinos também têm uma predileção enorme por políticos arrogantes, prepotentes e canalhas.

    Fico aguardando os comentarios em solidariedade ao senador do Paraná Roberto Requião e ao Jegue de Senhor do Bonfim.

    ResponderExcluir