Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


terça-feira, 7 de março de 2017

NÃO EXISTE ALMOÇO GRÁTIS - Enviado pelo email - angso56@gmail.com


Na metade de uma aula, um dos alunos, inesperadamente, perguntou ao professor: O senhor sabe como se capturam os porcos selvagens?

O professor achou que era piada e esperou uma resposta engraçada. O jovem respondeu que não era piada e, com seriedade, começou sua dissertação:

Para capturar porcos selvagens, primeiro localiza-se um lugar na floresta que os porcos selvagens costumam frequentar. Ali, coloca-se um pouco de milho no chão, diariamente. Assim, os porcos selvagens vêm para comer o milho "grátis" e, quando se acostumam a vir diariamente, você constrói uma cerca no entorno do local, onde eles se acostumaram a comer, um lado de cada vez... Quando eles se acostumam com a cerca, voltam para comer o milho e você constrói outro lado da cerca... Eles voltam a acostumar-se e voltam a comer. Você vai construindo a cerca no entorno, pouco a pouco, até instalar os quatro lados do cercado em torno dos porcos. No final, instala uma porta no último lado. Os porcos já estão habituados ao milho fácil e às cercas e assim começam a vir sozinhos pela entrada. É aí que você fecha o portão e captura todo o grupo. Simples assim, no passo a passo, até que no último segundo os porcos perdem a liberdade. Eles começam a correr em círculos dentro da cerca, mas já estão presos. 

Depois, começam a comer o milho fácil e gratuito. Ficam tão acostumados a isso que esquecem como caçar por si mesmos e, por isso, aceitam a escravidão. Mais ainda, mostram-se gratos com os captores e, por gerações, vão felizes ao matadouro. Não desconfiam que a mão que alimenta é a mesma que lhes abate.

O jovem comentou com o professor que era exatamente isso que via acontecer no seu país, no seu estado, em sua cidade, com o seu povo. Governos populistas, em seus projetos ditatoriais, escondidos sob o manto "democrático", estiveram jogando milho gratuito por tempo suficiente para alcançar a mansidão sistemática. E cada novo "Governo Salvador" disfarça, em "programas sociais", suas esmolas, dá dinheiro que tira do bolso do próprio trabalhador, realiza missões, planos, remissão, leis de "proteção", subsídios para qualquer coisa; expropriações indevidas, programas de "bem-estar social", festas, feiras ou festivais, uniformes, pão e circo, transporte "grátis", "G R A T I S"!

Toda essa "gratuidade" que nos oferecem tais vigaristas, disfarçados de políticos, cheia de felicidade para um povo mal acostumado com as migalhas do milho fácil e "gratuito", roubam-nos a capacidade de sermos críticos, pensantes e pessoas empreendedoras. No entanto, claro que nada nos saiu "de graça". Logo, "não existe almoço grátis"

Toda essa maravilhosa "ajuda" governamental é um problema que se opõe ao futuro da democracia no nosso país.

Texto circulando nas redes sociais.

7 comentários:

  1. "O respeito ao criador de riqueza é o começo da solução da pobreza". Gerar riqueza é criar emprego. Não existe matadouro pior do que endividado e desempregado.

    ResponderExcluir
  2. Traçando-se um paralelo, é possível observarmos que os seguidores da tal ideologia do PT não levaram nem muito tempo nem exigiram maiores cercas para se aprisionaram à ideia macabra do Lula, que era (ou é) de transformar esse belo país numa ditadura boliviana. ..

    ResponderExcluir
  3. No comentário acima leia-se "bolivariana" no final do texto.

    ResponderExcluir
  4. Concordo que tenha pessoas tão irracionais quanto aos porcos em questão, mas nem todos. Alguns sabem se aproveitar do milho para se desenvolver, criar forças/energia e conseguem pular o cercado ou até mesmo quebra-lo libertando alguns dos porcos alienados pelo dono. Mas sabemos que mesmo assim, sempre haverá aqueles porcos nascidos para o abate inevitável. Parabens pela publicação!

    ResponderExcluir
  5. politica do pao e circo...não ensina o valor do trabalho!!!

    ResponderExcluir
  6. Gonçalo, Fujii PRE e Gabrielly Sousa - Muito obrigado pela visita e pelos bons comentários. A postagem ficou mais valiosa depois deles. Continuem a visitar o Blog.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre que possível, estaremos externando idéia as vezes divergentes, as vezes consonantes.

      Excluir