Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


quarta-feira, 16 de março de 2016

A Cigana – Por Carlos Eduardo Esmeraldo

O mês de novembro do já distante ano de 1963 transcorria lentamente. Nas rádios, ouvíamos insistentemente o sucesso do momento, a extraordinária canção de Tom Jobim, “Garota de Ipanema”, uma música que ainda hoje é sinônimo de Brasil pelo mundo afora, assim como “Aquarela do Brasil” é confundida com o nosso hino. No Crato, o rebuliço das mocinhas era a chegada de uma cigana que, instalara sua tenda num terreno baldio, ao lado da estação do trem, bem defronte da Drasa, a revendedora dos fusquinhas. A tal cigana era festejada porque segundo muitos acreditavam, adivinhava tudo e previa muitas coisas para o futuro, principalmente o príncipe encantado tão ansiosamente aguardado pelas sonhadoras. Eu ouvia dizer que até alguns rapazes foram vistos consultando a tal cigana. E a fila dobrava o quarteirão.

Para mim, aquele mês de novembro ficou gravado na memória como um marco significativo de muitas perdas. É que no inicio do mês, eu sofri uma grave contusão no joelho, durante uma disputadíssima partida de futebol de salão, um esporte muito em moda no Crato daquela época. Fiquei o mês inteiro preso à cama, com um extraordinário inchaço no joelho esquerdo, que deixou minha perna dobrada em ângulo de noventa graus. Não podia andar e sequer levantar-me da cama.

Uma das conseqüências dessa lesão teria sido a remota possibilidade da seleção brasileira tricampeã mundial de futebol em 1970 haver sido definitivamente desfalcada de um esforçado ponta-esquerda cratense. Uma grande perda minha e sorte do Rivelino. Além do mais, um tímido sonhador foi retirado da vida social da cidade por mais de um mês, isto é; da Praça Siqueira Campos.

Para fugir da monotonia daqueles dias, eu lia tudo que me chegava às mãos, desde Machado de Assis até as fotonovelas da revista “Capricho”. No Colégio Diocesano, por ordem do Monsenhor Montenegro, as minhas notas do mês de novembro foram repetidas, pois àquela altura já me encontrava aprovado por média. No final do mês, já estava completamente recuperado.

Em janeiro do ano seguinte, eu pisava firme com as duas pernas, sem nenhum vestígio da lesão que me prendera à cama durante um longo mês.

Certo dia, eu estava vindo do São José para o Crato, e ao descer de um ônibus defronte da estação do trem, avistei ao lado, a tal tendinha da cigana. Já não havia mais a extensa fila de antes. Não tive dúvidas. Entrei movido mais pela curiosidade, pois nunca dei muita bola para essas coisas de cartomante ou adivinhas. Não sou daqueles que acreditam em bruxarias. Para mim isto não existe. Acho mais importante deixar que as coisas aconteçam e confiar na proteção divina.

Entretanto, parece que algumas pessoas possuem algum tipo de percepção extra-sensorial, capaz de comunicar-se com os outros por algum processo telepático. A tal cigana poderia ser uma dessas. Mas acho que ela deu mesmo foi um tremendo chute. Assim que eu entrei, ela bateu com toda força na bola e acertou em cheio: “Você esteve doente, problema na perna, não foi?” Depois previu que eu faria um grande concurso nos próximos três anos, e que morreria rico e no exterior. Ao indagar em qual país, ela respondeu: “na minha terra, a Espanha!”.

Repito que eu nunca dei importância a essas tais previsões. Do meu passado, aquela charlatona acertou alguma coisa cobrando escanteios. Quanto ao futuro, tirando o previsível concurso vestibular, acredito que a cigana acertou na riqueza. Mas não necessariamente riqueza de bens materiais, como ela insinuava. A esta altura, estou mais preocupado em “ajuntar tesouros que nem a traça corrói ou os ladrões roubam”. Se eu hoje sou rico, é de felicidade, o que já uma grande fortuna.

Não foi possível ainda testar a outra previsão da artilharia daquela cigana com uma viagem à Espanha. Tenho certeza que algum dia eu e Magali iremos conhecer a Europa, inclusive a Espanha. E esperamos voltar vivos.

Por Carlos Eduardo Esmeraldo


7 comentários:

  1. Pois Carlos, não é que ainda me lembro do zum-zum-zum que houve no Crato com essa mesma cigana acampada para os lados da estação do trem? rsrsrs

    Morais, pense numa criança que tinha pavor de ciganos! Esse bando aí de Varzea Alegre deve ser um que sempre aparecia e tinha autorização para acamparem debaixo de um pé de tamarino no sítio Currais. No engenho Francisco Gomes só tinha permissão de comparecer: O pai, Sinhá e o filho. Tenho ainda lembranças de Sinhá uma linda moça cigana afilhada de vovó Dedé.

    ResponderExcluir
  2. Ô Carlos, essa cigana foi tão comentada no Crato que me empolguei para uma consultinha básica. rsrsrs
    Minha mãe não queria, mas pedi tanto que ela acabou deixando e fui acompanhada por uma moça professora de toda a confiança de mamãe que morava lá em casa. E eu só tinha 12 anos e cheia de curiosidades.
    Pois não é que a cigana acertou tudo? Se foi telepatia, não sei, mas, jamais pude esquecer o que ela me falou.
    Lembro disto como se fosse hoje!!!

    ResponderExcluir
  3. Carlos, no Colégio São João Bosco, muitas colegas minhas foram. Eu não fui. Não tive nenhuma curiosidade, além do mais para mim o futuro pertence a Deus. Penso assim como você, as ciganas chutam. Entretanto, as vezes acertam por coincidências, ou telepatia.

    Abraços

    Magali

    ResponderExcluir
  4. Magali, hoje eu não chego perto de uma cigana por nada desse mundo!
    Um abraço
    Glória

    ResponderExcluir
  5. Amigo Carlos:
    Se a cigana acertar e você ainda for viver na Espanha vai morar numa grande país que sdota a forma de monarquia parlamentarista constitucional. Uma nação séria,bem diferente desta "ré-publica" que habitamos.
    Tenho uma filha que fez doutorado em Direitos Humanos na Universidade de Salamanca (hoje ela trabalha no Tribunal de Justiça de Pernambuco) e ela faz comparações entre El Reino de España e a República Federativa do Brasil que faz corar de vergonha a nós que amamos a nossa
    querida e sofrida Pátria...

    ResponderExcluir
  6. Ao amigos:
    Morais; Glória; Magali e Armando.

    Agradeço os comentários de vocês que somente vieram enriquecer o texto. Ri muito com os ciganos de Várzea Alegre.
    Armando, não conheço nenhum outro país que esse nosso. Mas acredito que com toda seriedade, alto desenvolvimento e tudo mais que existem por ai afora, não há lugar melhor que o nosso querido Crato. Lá não tem pequi, não falam português, não dâo um "jeitinho" em nada e nem conhecem os vizinhos. Eu quero lá sair daqui.
    Mas realmente muito verdadeira suas palavras.
    Abraço a todos.

    ResponderExcluir
  7. Carlos Eduardo.
    Eu tenho um amigo e parente que fez um passeio aos Estados Unidos. No segundo dia já estavam arrependidos. Não entendiam o que diziam os americanos nem vice versa. Estavam se sentindo isolados no meio de tanta gente e mortos de arrependidos da escolha do lugar para o passeio. No restaurante tomando café passa um casal proximo. A esposa do meu amigo diz: Nilo olha o tamanho da bunda dessa mulher ! A mulher olhou pra traz e respondeu: Mulher e tu és do Brasil? Graças a Deus te encontrei, estava pra ficar louca sem ter com quem trocar uma palavra. Não sei o que vir buscar aqui? Daí por diante fizeram amizade e tiveram com quem conversar.

    ResponderExcluir