Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


quarta-feira, 7 de junho de 2017

Ferrolho - Por Dr. JFlavio Vieira

Conheciam Cassiano Gadelha como um varão bíblico. Casou ainda novinho com Dona Cacilda e não perdeu tempo. Rápido formou um escrete de futebol de salão que evoluiu para de futebol society e, esportivamente, só descansou quando montou dois times: vinte e dois jogadores. Houve anos em que Dona Cacilda empinou dois buchos. Os meninos puseram-se a crescer em Matozinho e a diferença de idade entre eles fazia-se tamanha que os primeiros netos de Cassiano eram mais velhos que os últimos filhos. Pouco a pouco, puseram-se a ganhar o mundo, a procurar o destino que precisa ser traçado por cada um a golpes de machado. Cassiano e Dona Cacilda demoraram a ficar sozinhos: Destino inexorável de qualquer casal neste mundão de meu Deus. Já velhos, no entanto, beirando os oitenta, viram-se por fim solitários, buscando fazer com que tantas lembranças preenchessem o casarão hoje vazio.

Gadelha possuía uma qualidade difícil de encontrar em outros da sua geração. Os matrimônios naquela época, perfaziam atos meramente administrativos. Ainda não se havia inventado o amor romântico: casava-se para reprodução e, escolhendo-se a dedo, tentava-se manter o patrimônio construído por muitas gerações. Talvez, por isso mesmo, fossem tão freqüentes os enlaces com alto grau de consangüinidade. A mulher, mera educadora de filhos, limitava-se as funções caseiras e burocráticas. O homem mantinha economicamente o ninho e buscava prazer na senzala ou no bordel. Gadelha por incrível que possa parecer, fazia-se uma exceção à regra. Crescera e multiplicara, mas ninguém nunca soube de qualquer escapadela, qualquer gambiarra do velho Cassiano. Era homem de um ninho só. Os amigos da mesma geração costumavam chama-lo de “Ferrolho”, explicavam o apelido: ele passara a vida toda metendo no mesmo buraco e nunca se cansara. Esta rara qualidade pressentiram-na a chusma de filhos e a esposa, e, por isso mesmo, tinham Cassiano na mais alta consideração.

Com os anos passando, as brasas do amor arrefecendo pouco a pouco e se transformando em cinzas, por incrível que possa parecer, esta intransigente fidelidade de Gadelha começou a apresentar alguns imperceptíveis efeitos colaterais. Dona Cacilda, depois da menopausa, viu suas pétalas ultimas da juventude murcharem numa velocidade alarmante. Aos sessenta, sugada por tantos filhos, transformara-se numa anciã decrépita e enfermiça. Mergulhara, precocemente, na idade do condor: reumatismo para tudo quanto é lado. Cassiano, ao contrario, parecia um touro miúra. Trabalhava como um jovem e mantinha um vigor físico e sexual impressionante. O problema estava, justamente, na sua parceira de tantos e tantos anos. Se na juventude o relacionamento intimo nunca lhe trouxera um prazer maior, agora, com as limitações da velhice, o acasalamento passou a ser uma verdadeira tortura para Dona Cacilda. Nunca quis conversar isso com o marido, até respeitando sua incondicional fidelidade. Com o agravamento da tortura chinesa, no entanto, criou coragem e falou com o Gadelha. O parceiro de toda uma vida, não compreendeu, fez cara feia e ainda andou intrigado por mais de uma semana. O Pior é que a intriga, milagrosamente, se desfazia á noite, entre os lençóis e, pela manha, Cassiano vestia, mais uma vez, aquela carona de fazer cobrança e mantinha a carranca até anoitecer.

Desesperada, Cacilda, com toda dificuldade deste mundo, confidenciou a uma filha o seu sofrimento. A menina, penalizada com a situação constrangedora da mãe, contou tudo aos seus irmãos mais velhos. Reunidos, estes resolveram montar uma estratégia para confortar a mãe, sem, claro, trazer atropelos ao pai exemplar que era Cassiano. Procuraram-no na roça e puxaram-no para um particular. O mais velho, então, utilizando as regalias de primogênito, expôs a situação :
Papai, nós viemos falar com o senhor, porque a mamãe anda muito adoentada e nós combinamos com o medico e com o Padre Acelino e eles disseram que ela não tem mais condições de fazer nenhum calamengau. Viemos combinar com o senhor que ainda está novão e fogoso para deixar ela de mão. Mamãe aceitou: agente pode arranjar uma namorada novinha em folha para o senhor!

Os filhos até imaginaram que o velho ficaria feliz com a nova aquisição. Poderia, por fim, prevaricar na velhice e recuperar o tempo perdido. Os caminhos do desejo, no entanto, são totalmente sinuosos e imprevisíveis. Cassiano empertigou-se e sacou as clausulas algo emboloradas do seu antigo contrato matrimonial :
Dá certo não, meu filho! Trato é trato! Ela jurou nos pés do padre que era na saúde e na doença. Quem não pode com o pote não pega na rodilha. Depois, eu tou muito velho e meio borococho! Já tou acostumado com o alvo meio desbotado de sua mãe. Com minha espingarda velha e enferrujada sei a quantidade de chumbo e pólvora, conheço o molejo do cão e os segredos da alça de mira. Ta certo que já não acerto na mosca, mas também o tiro nunca dá tabuleta e nunca sai pela culatra. Se vocês arrumaram um alvo novinho em folha, eu já num tendo expiriença, é capaz da espingarda velha bater catolé ou disparar um tiro tão grande que afoloze e lasque em quatro toras o cano da soca-soca e acabe só com a coronha na mão!

5 comentários:

  1. Que expressão!

    "Dá certo não, meu filho! Trato é trato! Ela jurou nos pés do padre que era na saúde e na doença. Quem não pode com o pote não pega na rodilha". Grande Cassiano - Ou melhor grande Dr. Flavio.

    ResponderExcluir
  2. Lamento pela dona Cacilda; mas trato é trato. Cassiano é bom! Parabéns Dr. Flávio, cada vez melhor. Abraço carinhoso e fraterno. Fátima

    ResponderExcluir
  3. Valeu Dr. Flávio. maa com esse causo do fevolho. Ficou certo que não existe nenhuma semelhança de Matorzinho com V. Alegre. porque
    lá quem tem essa fidelidade é chamado de tuberculoso. porque come num prato só.
    Me mande notícias do meu amigo poeta e seu primo Audenizio Correia. Eu tenho algumas coisas para ele que já era cobrado pelo seu pai José Odmar
    Abraço quase conterrâneo.
    Mundim do Vale

    ResponderExcluir
  4. Corrigindo.
    Dr. Flávio. Eu me descuidei e mandei a mensagem no endereço do meu filho Diogo.

    ResponderExcluir
  5. agradeço ao morais pela paciência em arrancar este texto do Matozinho e publicar. Abraço ao Pra frente, à Nair, ao Mundim , à Fátima e ao diogo por terem apreciado o texto. Quanto à busca do mundim por Audenízio, soube que ela anda em São Paulo e meio adoentado. Uma memória fabulosa e o maior contador de hist´prias entre todos os vieiras da minha geração.

    ResponderExcluir