Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

A vingança do tenente Antonio - Parte final.



Tentativa frustrada. Prosseguindo na entrevista, comenta António de Amélia: todos reunidos ao pé da fogueira contavam anedotas ou relembravam fatos pitorescos ocorridos em outras ocasiões. Medalha levanta-se e se encontra a um pé de catingueira, enquanto Fortaleza se ampara em um toco. escorou o embornal e ficou voltado para o fogo. Limoeiro, ao lado de António Tiago, ouvia as historias que outros contavam. Foi neste momento que, ao me aproximar cautelosamente de Fortaleza, baixei o mosquetão em cima dele mas pinou a bala. Foi quando procurei despistar colocando rápido o rifle as costas e fui passando debaixo dos galhos das árvores.

Nisto gritou: o que foi? Foi o galho que pegou aqui na mira do rifle. Passando o episódio, frustrada a primeira tentativa de liquidar os bandidos, pude distanciar-me um pouco e sacudi a bala fora, colocando outra na agulha. Antes, justifiquei o caso afirmando inexperiência no uso de armas daquele tipo.

A hora da vingança. O momento da vingança chegou: disse o tenente António, de volta após mudada a bala que falhou e colocada outra na agulha, desci o mosquetão e o primeiro tiro pegou na cara do bandido Fortaleza, que enterrou os pés e caiu em seguida por sobre os paus. Dei o segundo tiro que o atingiu no ombro. Nisto ouvir disparo: Era compadre António Tiago havia atirado em Limoeiro, enquanto numa sequência rápida, Sebastião pegou Suspeita pelo meio. Alfredo ataca Medalha e saíram aos trancos e barrancos numa luta corporal danada. Corri para lá e encontrei suspeita com Sebastião imprensado na ribanceira do riacho tentando puxar o punhal que, por ser grande demais ,não dava para arrancar da cintura. Sebastião então grita para mim: chegue se não este cabra me mata. Bati com a boca do mosquetão no pé do ouvido do cabra que o sangue acompanhou. Nisso Sebastião pode dominar Suspeita e joga-lo no chao. Quis usar novamente o mosquetão, mas Sebastião gritou:não atire que você pode errar e me atingir, e mesmo o bandido já está morrendo. Em seguida corremos para o lugar onde António Tiago e Limoeiro se engalfinhavam numa luta de gigantes. Eram dois negros enrolados numa luta feroz. Nisso Sebastião pegou nos cabelos de Limoeiro e exclamou: foi este bandido que sangrou o o finado Mizael. Fui mandado, disse Limoeiro. Pelo amor de Deus não me sangrem. Atirem na minha cabeça mas não me sangrem.Um tiro reboou na mata. Caia morto o terceiro bandido. Estava vingada a morte do amigo de António de Amélia. Partimos para o lugar onde Alfredo , pegado com medalha, tentava mata-lo. Alfredo é desses cabras vermelhos de cabelo ruim que quando pegam um não soltam. Ao nos ver disse: Decá uma faca. Deixem eu matar este peste. Não permiti que matasse, explicando que deveria levá-lo para ser entregue as autoridades.

Praticamente encerrado o impasse entre matar ou prender, entra em cena novamente Alfredo, de arma em punho. Com revolver colocado por cima dos ombros de Tião, desfechou um tiro certeiro na cabeça de medalha. Tombou o quarto bandido. É o próprio Tenente António de Amélia, , explica a interferência de Alfredo no caso Medalha. no meio da luta o pai de Alfredo, ao se aproximar do local do acampamento foi atingido por uma bala no peito esquerdo e foi fulminado na hora. O filho, como um louco, viu o pai cair morto e não teve outra alternativa e não ser matar, com a pistola de Limoeiro, mais um bandido do grupo sinistro de Lampião.

Andanças e lembranças.

2 comentários:

  1. Assim concluimos a historia da vingança de Mizael pelo Tenente Antonio de Amelia.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite amigo,

    Somos familiares de Tenente Antonio Manoel Neto e temos interesse deste entrevista/reportagem na integra.
    Se você pudesse nos enviar, agradeceriamos mto.
    Segue meu email: ayana_figueiredo@hotmail.com

    ResponderExcluir