Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


terça-feira, 28 de março de 2017

UM CORAÇÃO PARA AMAR A DEUS. - Por Antônio Morais

No inicio da década de 60 do século passado, eu com os meus 9 anos,quanto tempo faz e quanta diferença de costumes, quanta inocência tínhamos nós naquela época distante.

Chegou a Várzea-Alegre um sacerdote recém ordenado de alma pura por dentro e sublime por fora. Trazia com ele um projetor, coisa nunca vista pra'quelas bandas.

No patamar da igreja de São Raimundo, as noitinhas, passava para os adolescentes filmes religiosos. Fui seduzido, e, ele se tornou meu maior ídolo. Voz pausada, semblante sereno e confiante tratava a todos com a mesma distinção e cordialidade.

Terminadas as missões Padre Argemiro deixou nossa cidade e, a partir daí, foi vigário em diversas paroquias de nossas Dioceses, inclusive Parambu onde também foi o seu primeiro prefeito municipal.

Vinte e cinco anos depois eu estava gerente do Bicbanco, agência do Crato. Ele entrou a agência, com a mesma brandura impar e serena, batina surrada, semblante abatido, aparência triste e desanimada, barriga um pouco alta.

Se achegou a mim, nem imaginou o quanto eu era seu fã e falou: "Meu filho, eu estou precisando de uma quantia em dinheiro para ir a São Paulo fazer um tratamento de saúde, e, aqui estou para saber se você pode me adiantar um empréstimo. "Eu tenho a promessa de um padre da paróquia de Nuremburg na Alemanha, ele vai fazer uma campanha com os fiéis para arrecadar fundos com este fim", mas, eu não estou pudendo esperar.

Estávamos nós dois e o meu amigo Assis Landim. Procurei saber o valor, e, revelada a importância não era pouca coisa. Ele não tinha avalista. Pedir para o Assis avalizar, "é apenas um procedimento protocolar, a responsabilidade é minha, disse-lhe". Assis avalizou.

90 dias depois, já na volta de São Paulo, Padre Argemiro Rolim entrou pela mesma porta, com a mesma humildade, batina surrada, o mesmo semblante triste, puro e sublime que tanto admirava, e, por fim a mesma bolsa, desta feita, a com volumosa doação dos alemães.

Resgatou o empréstimo e agradecido se retirou da agência.

Um ano mais tarde, 1986, recebi a noticia do falecimento do Padre Argemiro, o padre que tinha "um coração para amar a Deus".

Salve Padre Argemiro Rolim.

4 comentários:

  1. Hoje 10 de Setembro de 2016, recebi do amigo Armando Rafael, chanceler da Diocese do Crato, a informação que a abertura da sepultura do Padre Argemiro mostrou que dezenas de anos depois de seu sepultamento a sua batina encontra-se intacta. O que pode ser considerado um milagre. Salve padre Argemiro. Na sua batina estava a sua humildade e a presença de Deus.

    ResponderExcluir
  2. Morais:
    Parabéns por este artigo. Nota-se que ele foi escrito com alma, ou sejua, com sinceridade...

    ResponderExcluir
  3. Prezado Armando - Eu já tinha o Padre Argemiro Rolim na conta de um grande santo. Depois da sua informação a respeito da remoção de seus restos mortais a batina está intacta minha fé a convicção aumentaram em muito.

    ResponderExcluir
  4. Padre Agemiro,onde quer que esteja receba minha mais profunda gratidão, pelo exemplo que nos dá de humildade e Amor a Deus.

    ResponderExcluir