Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


terça-feira, 13 de março de 2018

017 - O Crato de antigamente - Por Antônio Morais.


O Antônio Morais, muito amigo do meu tio Luís Gonzaga Martins, contou mais alguns “causos” do Chico Soares, que me apresso a incluí-los no “Só no Crato.” 


Fotos do interior da Sorveteria Glória, colhidas na ocasião em que oficiais da Aeronáutica foram ao Crato para inspecionar o local do aeroporto Nossa Senhora de Fátima, sendo recepcionados por autoridades cratenses e integrantes do Rotary Clube. Na primeira foto o Cel Filemon  Teles presidente da  Assembleia Legislativa do Ceará.

Quando o meu tio foi morar no Rio de Janeiro, repassou a Sorveteria Glória para o Sr. Miguel Siebra de Brito. Em certa ocasião estava ele na sorveteria, fazendo companhia ao Chico Soares, que tomava uma cerveja. Então, tocou o telefone e ele foi ao escritório atender, e pediu para o Chico prestar atenção ao local.

Nesse momento, entram duas estudantes do Colégio Santa Teresa e perguntam : tem picolé?  O Chico, de imediato, disse que sim. Elas, lógico, indagam de que é que tinha. Ele vai até o freezer, levanta a tampa e observa uma variedade de picolés, em diversas cores. Sem ter a menor ideia dos sabores, vira-se para as mocinhas e diz: 

De grude!

4 comentários:

  1. Chico Soares e suas proezas. Muito bom pra rir.

    ResponderExcluir
  2. Ana Carolina Ferreira de Brito
    Neta de Pedro Brito Siebra
    Filha de João Americo de Brito
    Sobrinha de Miguel Siebra de Brito
    Uberlândia MG

    ResponderExcluir
  3. Você é prima de minha esposa Maria Nair, filha do Miguel Siebra de Brito.

    ResponderExcluir
  4. Morei no Crato / Mas nunca fui na cidade / Era no sitio pato / Não era grande a felicidade / Hoje não existe nem mais torrão / De onde eu escutava carão / Cantando a minha frágil liberdade...

    ResponderExcluir