Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


domingo, 25 de março de 2018

035 - Preciosidades antigas de Várzea-Alegre - Por Antônio Morais.


Proseando com o casal João Francisco.

Já escrevi alguns textos sobre João Francisco. Falei dos serviços prestados a comunidade de Várzea-Alegre como tabelião e hoje vou falar de um desafio que poucos atentaram para o fato. Por toda sua vida João Francisco foi partidário de uma tendência política local, a UDN, sucedida pela Arena e pelo PDS, sendo fiel aliado. Quando João decidiu disputar uma eleição se candidatou exatamente por outra legenda, contra os seus antigos correligionários, vencendo-os, fato inédito e nunca visto na historia. Elegeu-se prefeito de Várzea-Alegre e fez um mandato com independência, transparência, decência e de acordo com o que determinam as leis.

Muitas pessoas estranharam o seu modo de administrar, a quebra dos velhos costumes e vícios na utilização do dinheiro publico, e, vários causos ficaram registrados no período em que esteve à frente do município. A seguir relatamos alguns deles:

01 – Uma senhora procurou o prefeito para solicitar do mesmo a pagamento de uma prestação da televisão que estava atrasada. Negado. A mulher se danou e disse: eu me enganei muito com o senhor! O João Francisco emendou – Não foi só a senhora.

02 – Os professores em greve foram em comissão falar com o prefeito: Queremos que o senhor fique sabendo que se não melhorar o nosso salário nós vamos entrar em greve: Resposta: Saibam que fazem mais de 60 anos que deixei de estudar. Concedeu aumento de 1000% de acordo com as possibilidades da prefeitura e não pela pressão.

03 – Era costume ver animais soltos nas ruas centrais da cidade. Um dia um jumento montou, subiu noutro em plena praça, o maior "escandelo" já visto. Um caboclo oposicionista para zuar com ele disse: isso é que é falta de um prefeito! Ele respondeu na maior calma: não senhor, isso é falta de uma jumenta! No outro dia determinou a prisão de todo e qualquer animal que se encontrasse solto nas imediações da cidade.

Com esta determinação ganhou vários desafetos. Como observamos nos exemplos acima, João Francisco é símbolo de sinceridade, decisão e correção.

2 comentários:

  1. A história é feita de pequenos detalhes. Como diz o Roberto Carlos, detalhes tão pequenos, são coisas difíceis de esquecer. Porém quando esquecidos vai-se a história e fica o nada. Por essa razão escrevo sempre algo que conheço dos meus conterrâneos para que não seja adormecido na vala profunda do esquecimento.


    ResponderExcluir