Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


quarta-feira, 4 de abril de 2018

046 - O Crato de Antigamente - Por Antônio Morais.


Pedro Enrolão trazia da cidade de Campos Sales uma carrada de bodes para negociar no Crato e Juazeiro do Norte. Mercadoria sem Nota Fiscal.

Há menos de cinco km do Posto Fiscal da Batateira estacionou o carro na beira da estrada e foi vê o ambiente. Foi ao mercado e comprou 36 sombreiros. Depois de fazer dois orifícios em cada chapéu de palha para adequá-los no crânio de cada pai de chiqueiro, lá se foi estrada a fora, um autêntico pau de arara carregado de romeiros.

Com a troca do fiscal de plantão, a sorte não poderia ter sido mais favorável : O novo fiscal, um baixinho gordo e entrocado portador de elevado grau de miopia, usava óculos fundo de garrafa. Se aproximou da carroceria do carro e iluminando com uma lanterna, olhando pelas brechas resmungou :

Ô catinga de bode!

Pedro disse : Deve ter sido alguém que esqueceu de trocar o absorvente.

Que povo  baixo!

Pedro, é a fé que é grande estão todos ajoelhados!

O guarda desejou boa viagem e vendo o carro se afastar.

Lascou : Eita povo feio.

Um comentário: