Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


segunda-feira, 10 de novembro de 2014

A fuga de Vicente Venancio, do grupo de lamplião.

Ainda madrugada, frio intenso na cidade de Jardim, no cariri cearense, Vicente Venancio subia tranquilamente a Serra do Araripe. Na vespera, 01 de Fevereiro de 1927, recebeu do pai, o agropecuarista Venancio Bezerra de Menezes, a quem servia como vaqueiro, ordem para trazer da propriedade um boi que deveria ser vendido na cidade, a fim de atender a algumas obrigações financeiras assumidas pelo velho criador. Ordem recebida, ordem cumprida. No seu cavalo de maior estimação lá ia Venancio serra acima, varando a madrugada fria e invernosa.

Ao meio dia, quando descançava no lugar chamado Encruzilhada, chegou Pedro Vieira, abastado criador pernambucano e amigo de Venancio, que o convidou para conduzirem uma boiada até o povoado de Cacimbas. Por ter que cumprir, primeiramente, a ordem do pai. Venancio prometeu a Vieira que logo iria, pois tinha tambem negocios a resolver em Cacimbas. Encontrado o animal que buscava, Vicente Venancio o levou a Jardim, onde o vendeu por 140 mil reis, importancia que passou as mãos do pai.

Regressando a Serra do Araripe, entre Jardim e as Cacimbas, encontrou negocio para o cavalo. Na troca dos animais, pois essa foi a transação, Venancio voltou 50 mil reis. De posse do cavalo trocado, seguiu viagem até as Cacimbas, um povoado de 30 casas, na fronteira do Ceara com Pernambuco. Ao chegar aquele local, encontrou outro velho conhecido, Mario de São, agricultor e criador no municipio de Barbalha, na companhia do qual prossegue viagem.

Venancio conta que, saindo da casa do velho Lucio, onde sempre se hospedava nas suas idas as Cacimbas, encontrou novamente Pedro Vieira que, ao avista-lo, o convidou para um cafezinho. Era cedo da manhã de 02 de Fevereiro de 1927. Em companhia de Pedro Vieira e Mario de São, Venancio, segundo velho habito, se dirigiu, após o cafe, a margem de um barreiro ali existente. No percurso, disse Venancio, não sei se por pressentimento ou se por coincidencia Pedro Vieira começou a cantarolar versos preferidos pelos cabras de Lampião. Lembro bem de um que dizia: Sabino, peito de aço do sertão paraibano, bicho feito no cangaço.

Continua com a aproximação dos cangaceiros.

3 comentários:

  1. Na proxima postagem. A chegada do Bando, matança de animais, sequestros e a fuga astuciosa de Vicente Venancio.

    ResponderExcluir
  2. Estimado amigo Morais, sensacional este episódio de Vicente Venãncio e Pedro Vieira, estamos de camarote aguardando o desfecho.

    Abração,

    Manoel Severo

    ResponderExcluir
  3. Prezado Manuel.


    Para não cansar os leitores dividiremos em tres postagens as ocorrências do episodio de Cacimbas.

    Abraços.

    ResponderExcluir