Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


sexta-feira, 29 de abril de 2016

Luiz Gonzaga já dizia em décadas passadas - Por Antônio Morais.

Foto - José Alves de Lima - Elúzio.

Seu Doutor uma esmola,
A um homem que é são.
Ou lhe mata de vergonha,
Ou vicia o cidadão.

Vozes da Seca - José Dantas.

Um governo  populista, mentiroso, enganador jamais poderia imaginar que um dia o dinheiro acabaria e não teria como  continuar com o paternalismo desenfreado onde todos tem direito e ninguém  tem dever algum.

O dinheiro acabou  nos dois sentidos, o erário não pode pagar os beneficiários do Bolsa Família e a bolsa que se recebe nada mais compra por conta da inflação.

Esta historinha que se segue é um exemplo que só o trabalho triunfa. Numa cidadezinha do cariri, um garoto de 12 anos conduzia o pai rua a cima e rua abaixo pedindo esmolas. O pai era  deficiente visual. Um dia, ao chegar numa casa  ouviu-se o tilintar dos talheres, era hora do almoço.  O jovem tinha o nariz achatado e por essa razão era  fanho.

Então, com a voz fanhosa pediu :  me dê uma sobrinha de comida. A dona da casa respondeu : você quer pirão ou farofa? Ele respondeu : Pirão, farofa entala. Ouviu-se a maior algazarra dos presentes com a resposta e a voz fanha.

O garoto levou  o pai pela mão para casa e disse-lhe. Meu pai de hoje em diante o senhor não pedirá mais nada a ninguém.

Passou a desenvolver pequenos trabalhos, mais tarde já adulto consorciou agricultura, pecuária e comercio e o fato é que, na velhice, quando faleceu já tinha sido duas vezes prefeito de sua cidade, deixou uma família numerosa e muito digna composta por medico, dentista e farmacêutico, comerciante, e, um patrimônio material invejável. 

O nome deste cidadão erá José Alves de Lima, conhecido por Eluzio, a cidade  era a simpática Nova Olinda. Tive a honra de ser seu amigo, o portador desta história foi o próprio,  história digna de muito aplauso, de merecido reconhecimento pela grandeza de exemplo e pela decência do caráter.

Um comentário:

  1. Se algum familiar vi este escrito deve ter grande orgulho da historia de seu ascendente, se ao contrário se aborrecer peço as minhas venhas e farei a devida exclusão.

    ResponderExcluir