Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Ponto de equilibrio - Enviado por Amigos de Deus.


É interessante como a gangorra, aquele brinquedo típico dos parques de diversão lembra os movimentos da vida. É como se ela fosse a representação lúdica da realidade. Na verdade, a vida é como a gangorra, ora estamos em cima, ora estamos embaixo. 

Em alguns dias nos sentimos muito bem, tudo dá certo.  As coisas acontecem num fluir de paz e alegria.  Parece até que Deus nos toma em Seus Braços e caminha conosco pelos corredores da existência. Nada nos falta!

O que era paz transforma-se numa agonia. A sensação de segurança da lugar ao pânico. Motivos: Surpresas desagradáveis, enfermidades, crise financeira, luta na família. Nessas horas, até a fé entra em crise, pois imaginamos que Deus nos abandonou. 

Na verdade, a gangorra representa simbolicamente a busca do PONTO DE EQUILÍBRIO entre os movimentos de subida e descida e nesta constante alternância, ela nos ensina importantes lições.

Nínguém pode viver na ilusão de que vivemos num eterno estado de graça.  Tampouco conceber a vida como um contínuo sofrimento, como se isto fosse um destino. Com certeza, a vida nem pode ser concebida como uma experiência que exclui o sofrimento, nem como uma agonia constante. A vida é um eterno desafio na busca do equilíbrio entre a dor e a alegria, a noite e o dia, as lágrimas e o sorriso.

Viver é conviver sobriamente como o lúdico e o trágico, a fé e a incerteza. É saber atravessar os vales escuros para contemplar o nascer do sol. 

Os movimentos difíceis servem como adubo que fertiliza o solo da nossa existência, as lágrimas irrigam as sementes de onde brotam ESPERANÇA e VITÓRIA, na certeza de que viver é uma experiência maravilhosa.

Por fim, a gangorra também representa um desafio ao nosso relacionamento com Deus.  Reconhecê-lo quando estamos por cima, e adorá-lo quando estivermos por baixo, revelarão nossa consciência da Sua Presença em nossa vida. 

A vida é, por excelência uma experiência de luz e esperança.  Contudo, no seu transcorrer, podemos deparar-nos com a dor, a tristeza e a escuridão. 

É a gangorra em movimento, mas o que importa é a busca do Equilíbrio. O Senhor é o ponto de equilíbrio da gangorra.  A fé que não é confrontada com a adversidade não passa de mera crendice.

Um comentário: