Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


domingo, 22 de janeiro de 2017

003 - PRECIOSIDADES ANTIGAS DE VÁRZEA-ALEGRE - POR ANTÔNIO MORAIS


Pé Vei.

O Varzealegrense têm um toque de humor em tudo que faz. Desde os intelectuais Joaquim Ferreira, jornalista da BBC de Londres, Padre Vieira escritor de renome nacional e José Clementino do Nascimento, compositor conhecido no mundo da musica por suas composições inusitadas, até aquele inocente que brota de forma espontânea por todo o seu abençoado solo.

Dentre eles, José de Souza Lima, o conhecido Pé Vei, casado com uma prima legitima conhecida por Mundinha, uma cidadã calma, paciente, nervosa por herança de seus ascendentes. Se tomasse café pela manha, no decorrer do dia não chupava uma laranja ou qualquer outra fruta por precaução, podia fazer mal. Antes de dormir rezava Ave Maria três vezes, tirava terços para não morrer de repente e amanhecer o dia do outro lado. Banho, só com “água morna, quebrada a frieza” como dizemos por aquelas bandas.

Em 1985, quando se teve a noticia da sangria do Açude de Orós, muita gente acorreu ao local para apreciar aquele fenômeno da natureza. Eu fui com a família, fizemos um belo passeio de lancha, paramos um pouco numa ilha, tomamos banho e almoçamos uma curimatã ovada com cuscus e baião de dois.

De volta, demos de cara com o nosso amigo Pé Vei, em cima da parede do açude, de boca aberta, admirando aquela obra da natureza. Fui até ele, cumprimentei e perguntei: PÉ VEI, porque você não trouxe dona Mundinha para ver toda essa beleza, essa sangria espetacular, fazer um passeio de lancha e tomar um banho nessas águas límpidas e abençoadas?

Ele me respondeu: Morais, você acha que eu ia poder “AMORNAR” essa água toda?

2 comentários:

  1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  2. Grande Pé Vei. Um dia há de ter um conterrâneo seu para resgatar toda sua genialidade humorística.

    ResponderExcluir