Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

400 - Preciosidades antigas de Várzea-Alegre - Por Antônio Morais.

A guerra  do sitio Araçás.

Um pé de cedro na divisa das propriedades de  Lourenço e  Amâncio quase leva o sitio Araças a uma guerra. Por muito pouco não houve  um derramamento de sangue.

Os proprietários já não se entendiam por conta da politica : um era "Pessedista e o outra Udenista", e cada um implicava mais com o outro na hora de decidir com quem ficava a árvore fincada na divisa das terras.

Para evitar uma tragedia a esposa do Lourenço foi a casa de Antônio Correia, Cel da guarda nacional e maior autoridade politica à época, de quem era  partidária e pediu para ele arbitrar a questão.

O Cel Antônio Correia era muito jeitoso e estrategista convidou primeiro para uma conversa o Amâncio e lhe disse : Seu  Amâncio, eu estou precisando de uma madeira de cedro para fazer as portas da casa de uma filha que vai se casar e soube que o senhor tem um pé de cedro que resolve o meu problema. Gostaria que o senhor me vendesse.

Resposta solicita, Cel Antônio Correia pode mandar cortar o cedro e tirar a madeira. Não lhe vai custar nada. Agora eu gastava o dinheiro que a propriedade vale e não perdia o meu cedro para aquele "fela da puta" do Lourenço meu vizinho.

Resolvida a primeira parte o Cel Antônio Correia mandou chamar o segundo proprietário e lhe  disse: compadre  Lourenço eu quero saber por quanto você me vende um pé de cedro que você tem, estou precisando de uma madeira.

Lourenço disse: Cel Antônio Correia pode mandar cortar e tirar a madeira, não vai lhe custar nada. Eu quero ver o "fi duma égua" do  Amâncio impedir.

O Cel Antônio Correia derrubou o pé de cedro tirou a madeira e acabou a questão. Isso é que era um exímio conciliador.


5 comentários:

  1. O CORONEL SIMPLISMENTE SIMPLICOU. SERVE DE EXEMPLO PRA NOSSAS VIDAS AS VEZES SOMOS CHAMADOS A RESOLVER E COMPLICAMOS AS COISAS; O CEL. USOU DE SABEDORIA NUMA SIMPLICIDADE ÍMPAR

    ResponderExcluir
  2. Pois é poeta.
    Nenhum dos dois faziam questão pelo pé de cedro, mas não admitiam ceder metade pra cada um. o Cel usou da inteligencia.

    ResponderExcluir
  3. Amigo Morais
    Então o caso está igualzinho aqui em Coxim-ms pois o simbolo da cidade é um PÈ DE CEDRO até por sinal tem uma música que serve de hino para os amantes do Estado.Mas digamos a uns dois anos atrás deu um vendaval danado e o mesmo é tão velho...mas tão velho que caiu uma banda...kkkk...o que fizeram Coxim entrou em pânico chamaram ao local quem entendia do assunto e levantaram a parte que caiu com cabos de aço e ele até hoje continua sendo a FAMA da cidade...mas vá em busca desses grandões que socorreram a árvore e peça uma ajuda pra alguma solidariedade...logo vem a resposta A COISA TÀ DIFICIL mas pra socorrer uma simples árvore foram em busca de quem entendia e pagaram caro pela recuperação...Até hoje é um ponto turistico da cidade PÈ DE CEDRO plantado pelo famoso poeta (Zacarias Mourão)In memorian

    ResponderExcluir
  4. Morais.

    Os dois personagens do caso eram sobrinhos da minha Avó, Emilia Amancio. Nos Araçás foi sempre assim. Hoje poucos da família ainda habitam aquele sítio que divisa com o sítio José. Enviei ao blog, uma foto, em que aparecia eu, minha filha, e Lindoval, meu primo, que se recupera de uma virose em João Pessoa. Na foto aparecia uma linda plantação de arroz em uma lagoa nos Araçás. Essa lagoa pertence, ou pertencia, a toda família, cada um dos herdeiros tinham direito a um pedaço da lagoa, pois sabe como é, no ceará água é um bem precioso! Os outros acreditam, nós temos certeza!

    ResponderExcluir