Páginas


"Ultrapassa-te a ti mesmo a cada dia, a cada instante. Não por vaidade, mas para corresponderes à obrigação sagrada de contribuir sempre mais e sempre melhor, para a construção do Mundo. Mais importante que escutar as palavras é adivinhar as angústias, sondar o mistério, escutar o silêncio. Feliz de quem entende que é preciso mudar muito para ser sempre o mesmo".

Dom Helder Câmara


domingo, 19 de março de 2017

051 - Preciosidades antigas de Várzea-Alegre - Por Antônio Morais.


Pedro de Joaquim José saiu  do sitio Caiçara em Várzea-Alegre ainda de menor. Partiu  para São Bernardo a procura de  trabalho,  o que era comum  a todo varzealegrense naquele inicio  da década de  70 do século passado.

Depois de 10 anos bem vividos em São Bernardo, ganhando e juntando dinheiro resolveu passear na terrinha. Trouxe na bagagem uma bicicleta dessas próprias para corridas de ciclismo e a prática de exercícios.

Chegando no sítio Caiçara, cheio de gírias e  um palavreado extravagante,  arrumou a bike, vestiu uma roupa nunca vista pra quelas bandas, pôs um tênis, um capacete  e saiu para o primeiro passeio.

Na primeira curva bateu de frente com Zaqueu Guedes, foi um prum lado, outro pró outro e ficou a ruma de bicicletas amassadas no chão.  Pedro  todo sujo,  macacão rasgado a altura  do joelho,  um dos tênis não se teve noticia onde foi parar,  o Zaqueu  cheio de escoriações, então, o Pedro  batendo a poeira perguntou: Qual é a tua Bicho?

E Zaqueu: É essa "veri meia veia" que quebrou a corrente.


3 comentários:

  1. NÃO SE DAR FIM AS DE ZAQUEL IMAGE DA VÁRZEA TODA. QUALÉ A TUA BICHO!!!

    ResponderExcluir
  2. O paulista era vaidade só. Roupas extravagantes, palavrado esquezito, chiando mais que cobra cascavel, um dia um deles começou a cagar goma na Bodega do Pinga e Zé de Lula Goteira desbancou: Tu é gente?

    ResponderExcluir